A longevidade da empresa

Para compreender as organizações e entender o seu processo de evolução, é preciso refletir que viver mais é objetivo dos seres humanos e das organizações.

A longevidade dos seres humanos está relacionada a alguns fatores, tais como: clima mais frio, alimentação adequada, exercícios físicos e ao estilo de vida menos estressante. Os ucranianos, que são pastores, vivem em um clima frio, comem pouco sal e gordura, caminham muito e levam uma vida tranquila. São um dos povos com maior longevidade, chegam viver até 160 anos.

As causas do envelhecimento humano são várias. A gordura corporal é uma delas. Aos 75 anos, os indivíduos apresentam o dobro da gordura que tinham aos 25. A água presente no corpo diminui provocando a desidratação. O peso corporal e o peso dos órgãos sofrem alterações com a diminuição do número de células. O metabolismo muda em decorrência da diminuição do consumo de oxigênio. Diante dessas mudanças, a força muscular diminui.

Os cientistas e profissionais da saúde buscam formas de controlar as causas do envelhecimento humano. No entanto, afirmam que os hábitos, costumes e a cultura dos grupos são fundamentais para que se tenha vida longa.

De acordo com COLLINS e PORRAS(1995), algumas organizações vivem mais que outras e as empresas que passaram do patamar de boas para excelentes o fizeram pelo processo de transformação evolutiva, concluindo que o que torna as empresas realmente visionárias são algumas práticas comuns ao longo de suas histórias como: Dar as ferramentas, não ter soluções; Mais do que lucros, ter ideologia central; Preservar o núcleo/estimular o progresso; Metas audaciosas; Culturas de devoção; Testar de tudo e aplicar o que der certo; Gerentes treinados internamente; Nunca é suficiente (inovação permanente)

Conforme as pesquisas apresentadas por GEUS (1998), empresas longevas eram sensíveis ao seu ambiente; Empresas longevas eram coesas e dotadas de um forte senso de identidade; Empresas longevas eram tolerantes. Gerentes dos séculos XVII, XVIII e XIX já adotavam a descentralização; Empresas longevas eram conservadoras nas finanças (dinheiro em caixa: flexibilidade e independência de ação); A maioria das empresas longevas antecipava as necessidades de mudanças; As empresas longevas transformavam crises em novos negócios.

Para PRADO FILHO (2003),”uma organização é como um ser humano, se veste, se comunica e necessita ter um estilo. Precisa ter uma identidade.” Nessa perspectiva, elas constroem um nome, uma marca. Não passaram pela vida, fizeram e fazem a diferença. Esta diferença foi e é criada pelo seu principal capital, as pessoas porque as empresas longevas ou visionárias se constroem com base no potencial, na energia e na alma das pessoas. Seus pensamentos ou estratégias não seguem a lógica econômica pura e simples do mercado, suas visões não são de curto prazo. Elas seguem as suas ideologias, formam suas culturas próprias e estimulam o progresso desafiando as próprias condições sociais, políticas e econômicas do momento em que vivem. Por isso a resistência às macro-adversidades imprevisíveis não necessita ser absoluta.

O estabelecimento de uma visão consistente, capaz de resistir mais tempo do que outras empresas concorrentes, é na verdade estabelecer as bases para uma vida.

Nesta perspectiva é possivel explicar que num círculo virtuoso e de constante aprendizagem, “toda a organização tem um objetivo básico e fundamental que é a viabilidade (…) a empresa tem como seu propósito primordial para a existência sua própria existência, (…) a empresa luta para continuar viável e sobreviver.”(McGuire:1963, p. 167).

As organizações, assim como os seres vivos , buscam a vida, a longevidade e a melhoria continua. Percebe-se que em ambos os casos, os que possuem melhor capacidade adaptativa ao meio ambiente ou que conseguem dominá-lo vivem mais. A adaptação estratégica exige muito mais que instinto. Exige criatividade, inovação e flexibilidade. Elas criam seus aprendizados, são altamente adaptativas. Não diminuem a força muscular porque são inovadoras. Controlam a gordura e o peso corporal porque são flexíveis. Dominam o estresse porque são criativas. O conhecimento brota das fontes humanas, alimentadas de nutrientes de fora, de dentro e de dentre seu ambiente, de encontro às tendências degenerativas naturais. Todo o trabalho criativo é fruto do esforço coletivo e traz atrás de si uma bagagem de estudo dos antecessores. As pessoas são a alma da empresa.

Ao longo de seu ciclo de vida, como os organismos vivos, “as organizações quando jovens são bastante flexíveis, mas nem sempre são controláveis. À medida que as organizações envelhecem, essa relação se altera. A controlabilidade aumenta e a flexibilidade diminui. É a mesma diferença que há entre um bebê e uma pessoa mais velha. O bebê é bastante flexível e consegue até colocar o pé na boca, mas seus movimentos e o seu comportamento não são muito controláveis.À medida em que envelhecemos, acabamos eventualmente perdendo também o controle.”(Adizez, 1990, p 2)

Neste sentido, confirma CAVALCANTE (2003), a corporação é um organismo vivo, fértil e fertilizador. Que fala e ouve, ri e chora, sonha e se apaixona, cria e deduz, intui e interfere. O conhecimento não vale o quanto pesa, mas o quanto flui. E só flui se os vasos forem comunicantes e as cabeças pensantes integrarem um sistema e uma cultura organizacional que permitam o seu fluxo livre , o que significa descartar a intolerância e regras que abafem novas idéias. Cabe destaque à afirmativa de GEUS (1998) que “a tolerância deriva de uma estrutura de valores. Ela só pode existir numa empresa na qual as pessoas reconheçam o valor de criar espaço para a inovação”, espaço este que constitui-se num magma de significações, fonte de energia para ações ofensivas e defensivas numa contínua oxigenação e revitalização da empresa.

Referências bibliográficas

ADIZES, Ichak. Os ciclos de vida das organizações. São Paulo: Thoson Pioneira, 1990.

COLLINS, James C., PORRAS, Jerry I. Feitas para durar: práticas bem sucedidas de empresas visionárias. Rio de Janeiro : Rocco, 1995.

GEUS, Arie de. A empresa viva: como as organizações podem aprender a prosperar e se perpetuar. Rio de Janeiro : Campus, 1998.

McGUIRE, Joseph W. A empresa e a Sociedade. São Paulo:Graw-Hill Book Company, 1963.

MOREIRA, Bernardo L. Ciclo de Vida das Empresas. São Paulo: Editora STS, 1999.

RIBEIRO, C. R. M. A empresa imortal Rio de Janeiro : Vozes,1995.

CAVALCANTE. Elina Maria Borges. Longevidade: Uma questão de estratégia. Disponível em < http://www.redadultosmayores.com.ar> Acesso em 09.12.03.

PRADO FILHO, Hayrton Rodrigues. Estratégia imprescindível. Revista Banas Qualidade, n 132, maio/2003, p.3.

“toda a organização tem um objetivo básico e fundamental que é a viabilidade (…) a empresa tem como seu propósito primordial para a existência sua própria existência, (…) a empresa luta para continuar viável e sobreviver.”(McGuire:1963, p. 167)

Ao longo de seu ciclo de vida, como os organismos vivos, “as organizações quando jovens são bastante flexíveis, mas nem sempre são controláveis. À medida que as organizações envelhecem, essa relação se altera. A controlabilidade aumenta e a flexibilidade diminui. É a mesma diferença que há entre um bebê e uma pessoa mais velha. O bebê é bastante flexível e consegue até colocar o pé na boca, mas seus movimentos e o seu comportamento não são muito controláveis.À medida em que envelhecemos, acabamos eventualmente perdendo também o controle.”(Adizez, 1990, p. 2) O envelhecimento

Saúde da empresa uma mente coletiva ou organizacional,

caracterizando-a como entidade física e psicológica autônoma, dotada de necessidades, valores, comportamentos e objetivos, à semelhança dos indivíduos.

Hazle saber al autor que aprecias su trabajo

1+
Tu opinión vale, comenta aquí

Comentarios

Compártelo con tu mundo

Cita esta página
Guarda Canterle Nilsa María. (2004, febrero 14). A longevidade da empresa. Recuperado de https://www.gestiopolis.com/a-longevidade-da-empresa/
Guarda Canterle, Nilsa María. "A longevidade da empresa". GestioPolis. 14 febrero 2004. Web. <https://www.gestiopolis.com/a-longevidade-da-empresa/>.
Guarda Canterle, Nilsa María. "A longevidade da empresa". GestioPolis. febrero 14, 2004. Consultado el 20 de Agosto de 2019. https://www.gestiopolis.com/a-longevidade-da-empresa/.
Guarda Canterle, Nilsa María. A longevidade da empresa [en línea]. <https://www.gestiopolis.com/a-longevidade-da-empresa/> [Citado el 20 de Agosto de 2019].
Copiar
Imagen del encabezado cortesía de mescon en Flickr