Estratégia para a direcção da componente investigativa no ISCED-Huambo

Autor: Alfredo Maria de Jesus Paulo y Guilherme Carlos Agostinho

Formación y capacitación

14-10-2011

O presente trabalho de investigação teve como ponto de partida a problemática relativamente às insuficiências que apresentam os estudantes e os recém-graduados do Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED) do Huambo, quanto ao desenvolvimento das competências investigativas. Considerando a importância da componente investigativa na proactividade de qualquer instituição de ensino superior e na formação de agentes reflexivos no processo de desenvolvimento da sua actividade profissional, neste caso de ensino e aprendizagem; perante o défice constatado, coloca-se como problema científico a seguinte interrogação: Como elevar a formação investigativa dos estudantes do ISCED do Huambo? Para dar resposta ao problema levantado definiu-se como objectivo geral da investigação “elaborar uma estratégia para a direcção da componente investigativa no processo de formação dos estudantes no ISCED do Huambo. Para responder ao problema científico e aos demais pressupostos do desenho de investigação formulou-se o seguinte pensamento hipotético: Uma estratégia para a direcção da componente investigativa sustentada: num enfoque sistémico da componente investigativa, e no modelo de competência investigativa, pode constituir uma via válida para aumentar a pertinência do plano de formação do ISCED do Huambo, no relativo à componente investigativa, e consequentemente contribuir para a formação da competência investigativa. A consecução do objectivo geral está condicionada na articulação dos objectivos específicos subscritos: estabelecer as tendências históricas do tratamento da componente investigativa no processo de formação do profissional nos ISCED em Angola; caracterizar o tratamento da componente investigativa no processo de formação do profissional no ISCED; Fundamentar teoricamente o tratamento da componente investigativa nos centros de formação de professores; elaborar ou adoptar o modelo de direcção da componente investigativa no P.F.P no ISCED; elaborar a estratégia para a direcção da componente investigativa no P.F.P do ISCED do Huambo; avaliar a pertinência da estratégia através do critério de espertes.

O estudo foi desenvolvido fundamentalmente através da aplicação de métodos e técnicas de investigação tais como análise documental e bibliográfica, entrevistas, questionários, método de Delphi. O resultado principal da investigação é proposta de uma estratégia para a direcção da componente investigativa no processo de formação dos estudantes do ISCED do Huambo. A referida proposta obteve uma avaliação positiva pelos oito (8) peritos seleccionados através do método de Delphi, em que as opiniões sugestionam que a estratégia pode contribuir efectivamente para elevar a formação investigativa dos estudantes do ISCED do Huambo.

Abstract

This research paper has its point of departure the problem of insufficiencies that the current and newly-graduated students at Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED) have in relation to the development of investigative competencies.

The work takes into consideration the importance of the investigative competence in the proactivity of any teaching institution in the education of reflective practitioners in the process of their professional activity, i.e. the teaching and learning. Thus, from the lack that has been observed, we have been confronted with the research question: How to elevate the students’ investigative training at ISCED-Huambo?

In order to answer this problem the general objective of the research has been defined, which is, “to design a strategy for the leading of the investigative component in the process of education of students at ISCED-Huambo.”

In order to respond to the research problem and other items related to the research design the following hypothesis was formulated - a strategy for the leading of a sustainable investigative component: in a systemic focus of investigative component and in the investigative competence, can constitute a valid way to increase the pertinence of the training program of ISCED Huambo, in relation to investigative component, and so contribute to the training of investigative competence.

The realisation of the general objective is conditioned to the articulation of the following specific objectives: to establish the historical tendencies of the how the investigative component is dealt with in the professional training in ISCEDs of Angola; characterize the way the investigative component is dealt with in the professional training process in ISCED; to theoretically argue for the way the investigative component is dealt with in the teacher training centres; to design or adapt the leading model of the investigative component in the teacher training process in ISCED; to design a strategy to lead the investigative component in the teacher training process in ISCED Huambo; to assess the pertinence of the strategy through the criterion of experts.

The study was developed through the use of different research methods and techniques, such as, text and bibliography analysis, interviews, questionnaires, Delphi method, Kendall W concordance test, Friedman concordance confirmation test.

The main research result is a proposal of a strategy for the leading of the investigative component in the education process of students at ISCED-Huambo.” This proposal had a positive evaluation by the eight (8) experts that had been selected through the Delphi method, who have suggested that the strategy can effectively contribute to the elevation of the students’ investigative training at ISCED-Huambo.

Introdução

As Universidades têm vindo a jogar historicamente um papel estratégico no desenvolvimento social, entretanto no terceiro milénio cresce o seu papel como resultado da evolução da ciência e da técnica, da crescente informatização da sociedade, da tendência globalizante e das novas demandas que a sociedade adjudica a esta instituição. De modo que como nunca antes aconteceu os centros de ensino superior estão chamados a converter-se em verdadeiros potenciais da ciência, da técnica e da cultura (Fernandes, 2000).

O informe de Delors (1996), publicado pela UNESCO, sobre a educação no século XXI, estabelece que a Universidade deve contribuir para a educação como um lugar da ciência e fonte de conhecimento que levam a investigação teórica ou aplicada, ou a formação de professores, ou seja, que entre suas funções estão a preparação para a investigação e para o ensino.

A investigação para toda a comunidade universitária obedece sempre a factores sociais de integração (Alonso, 2000b; 2001; 2002).

Neste contexto, o processo de investigação científica como factor preponderante para o desenvolvimento da sociedade, dá solução aos problemas científicos e procura alcançar novos conhecimentos.

A investigação com pertinência, permite melhorar a formação dos profissionais académicos e projecta a introdução de novos métodos científicos no processo de formação profissional (Marcelo, 1992a;1992b).

No Instituto Superior de Ciências da Educação do Huambo, a componente investigativa no processo de formação profissional não se faz sentir na vertente extracurricular, embora possamos admitir que quanto à vertente curricular a sua aplicação não seja a mais adequada. Esta ainda não alcançou os indicadores satisfatórios independentemente da divulgação interna dos resultados através dos trabalhos de fim de curso (teses de licenciatura), a integração da docência e da investigação estão aquém das expectativas da melhoria do processo docente educativo nesta perspectiva.

A integração docência – investigação – extensão não tem um cumprimento cabal devido à descontinuidade dos órgãos de gestão científica existentes, quer dizer não existe uma relação de comunicação de distribuição e implementação das tarefas e acções específicas dos processos de integração investigativa. Não se alcança o máximo de concentração do potencial científico na solução dos problemas prioritários. Não existe uma coordenação entre instituições nacionais e internacionais que possam realizar investigações nas temáticas afins. Também não existe uma estratégia de incorporação para os estudantes, nos projectos de investigação segundo os graus de complexidade demandados pelo trabalho científico.

Como já se fez referência, o processo de investigação científica deve ser pertinente de forma que seus objectivos e tarefas sejam encaminhados para difundir todas as vias e formas possíveis dos resultados da actividade científica e técnica (Mesquita & Rodriguez, 2004).

Estes e outros pressupostos têm sido motivos de reflexão dos órgãos colegiais do ISCED do Huambo tais como, o Conselho Pedagógico, Conselho Científico e em muitas circunstâncias, objecto de análise dos encontros metodológicos dos Departamentos de Ensino e Investigação (actas das reuniões dos referidos órgãos, 1995). Estes procedimentos metódicos tiveram lugar em quase todas acções de análise do currículo proposto pela Reitoria da Universidade Agostinho Neto, particularmente pelo gabinete do Pró-reitor para a reforma curricular.

Esta problemática adquiriu grande acuidade no nosso estudo, ao tentar compreender os processos de inovação e mudança curricular no ISCED – Huambo, entendidos simultaneamente como processo de formação de professores e do desenvolvimento da escola como organização.

O presente trabalho incide sobre o micro desenho curricular de uma estratégia para a direcção da componente investigativa no ISCED do Huambo pelo facto de se notar um défice nesta componente por parte dos estudantes, graduados pela referida instituição e professores, o que tem repercussões negativas na efectivação dos trabalhos de fim de curso e consequentemente no futuro desempenho profissional do formando ou formado nas instituições de ensino geral. O desenvolvimento do estudo da problemática obedeceu certos requerimentos procedimentais que permitiram aflorar a questão em causa. Para o efeito, foi feito um levantamento através de um diagnóstico aturado aplicando diversos instrumentos cujos resultados espelhados espelhados em sintes, sua leitura e análise permitiu a informação da situação real da situação.

O referido diagnóstico consistiu essencialmente na aplicação de inquérito por questionário a todos professores efectivos, estudantes finalistas, graduados pela instituição há um ano ou mais (professores em outras instituições de ensino), entrevistas aos chefes de departamento de ensino e investigação, e a análise dos trabalhos de fim de curso já defendidos.

Fizeram parte do diagnóstico por categorias, professores, estudantes finalistas, graduados, e chefes de departamento de ensino e investigação.

O diagnóstico permitiu constatar o défice no desenvolvimento de muitas habilidades investigativas, cuja referência explícita se encontra patente na análise da situação real da componente investigativa do ISCED – Huambo.

Presume-se que o défice das habilidades investigativas radica no desfasamento da harmonia didáctica entre a componente académica, a laboral e a investigativa na dinâmica do desenvolvimento do processo docente educativo. Considerando a importância da componente investigativa na proactividade de qualquer instituição de ensino superior e na formação de agentes reflexivos no processo de desenvolvimento da sua actividade profissional, neste caso de ensino e aprendizagem; perante as insuficiências que apresentam os estudantes e os recém-licenciados do ISCED do Huambo, quanto ao desenvolvimento da competência investigativa. Colocou-se como problema científico a seguinte interrogação: Como elevar a formação investigativa dos estudantes do ISCED do Huambo?

Como se pode inferir, o tema em estudo e o problema colocado são actuais, estão relacionados com os objectivos do desenvolvimento do processo docente educativo e investigativo, constitui um aspecto pertinente em qualquer instituição de ensino superior, assim como faz parte das linhas de acção (linhas mestras) definidas pelo Ministerio do Ensino Superior e da Ciência e tecnologia.

Na base da coerência com o problema científico, definiu-se como objecto da investigação, o processo de formação do profissional no ISCED – Huambo.

Desta feita, definiu-se como campo de acção do presente trabalho de investigação a direcção da componente investigativa no processo de formação profissional.

O presente trabalho de investigação foi direccionado pelo seguinte objectivo geral: elaborar uma estratégia para a direcção da componente investigativa no processo de formação do ISCED do Huambo, sustentada num modelo teórico da dita direcção.

Para responder ao problema científico e aos demais pressupostos do desenho de investigação formulou-se o seguinte pensamento hipotético:

Uma estratégia para a direcção da componente investigativa sustentada:

§ num enfoque sistémico da componente investigativa, e;

§ no modelo de competência investigativa,

pode constituir uma via válida para aumentar a pertinência do plano de formação do ISCED do Huambo, no relativo à componente investigativa, e consequentemente contribuir para a formação da competência investigativa.

A consecução do objectivo geral está condicionada na articulação dos objectivos específicos subscritos:

1. Estabelecer as tendências históricas do tratamento da componente investigativa no processo de formação do profissional nos ISCED em Angola.

2. Caracterizar o tratamento da componente investigativa no processo de formação do profissional no ISCED.

3. Fundamentar teoricamente o tratamento da componente investigativa nos centros de formação de professores.

4. Elaborar ou adoptar o modelo de direcção da componente investigativa no P.F.P no ISCED.

5. Elaborar a estratégia para a direcção da componente investigativa no P.F.P do ISCED do Huambo.

6. Avaliar a pertinência da estratégia através do critério de espertes.

O estudo foi desenvolvido fundamentalmente através da aplicação de métodos e técnicas de investigação tais como análise documental e bibliográfica, entrevistas, questionários, método de Delphi, teste de concordância de Kendall W, teste de confirmação de concordância de Friedman.

O resultado principal do trabalho apresentado é uma proposta para a direcção da componente investigativa no processo de formação dos estudantes do ISCED do Huambo.

A contribuição da presente investigação do ponto de vista teórico é o modelo de competência baseado no desenvolvimento da componente investigativa. Do ponto de vista prático o desenho metodológica da estratégia para a direcção da componente investigativa no processo de formação dos estudantes do ISCED do Huambo, isto é, com a finalidade de elevar a competência investigativa nos referidos estudantes.

A novidade da investigação consiste na adaptação contextualizada do modelo de Arredondo, et. all. (1994:98), referente à docência, em administração da educação, adaptado e aplicado por Castellanos, (2001) em investigação educativa que serviu de arcaboiço de elaboração da estratégia para a direcção da componente investigativa no processo de formação dos estudantes do ISCED do Huambo.

Metodologia aplicada e resultados

O diagnóstico como fase inicial do processo investigativo realizou-se mediante a aplicação de instrumentos de investigação e posterior análise e interpretação dos resultados, os quais reflectem dados que permitem determinar a situação real do desenvolvimento da componente investigativa nos estudantes, assim como a preparação dos docentes e seu desempenho para alcançar este objectivo.

Para conhecer a situação sobre o estado actual da actividade investigativa dos estudantes, aplicou-se a matriz DAFO, um inquérito por questionário aos estudantes do 4º ano de todos os cursos e aos recém graduados a exercerem a função de docência nos mais distintos níveis de ensino, para além da análise dos trabalhos de fim de curso já defendidos. Enquanto que com o mesmo objectivo foram inquiridos por questionários, os docentes da instituição em voga, assim como foram entrevistados os chefes de departamento de ensino e investigação. Os resultados revelam que de forma geral a existência de várias insuficiências que afectam a integração das componentes académica, laboral e investigativa no processo de formação dos estudantes do ISCED do Huambo. Dentre os múltiplos especificados resultados, ressaltam-se genericamente os seguintes:

• Debilidades na formação e desenvolvimento das Habilidades investigativas nos estudantes do ISCED do Huambo;

• Débil direcção da componente investigativa por parte dos docentes, no processo de formação dos estudantes do ISCED do Huambo;

• Falta de orientações metodológicas por parte dos departamentos de ensino e investigação para a formação e desenvolvimento da componente investigativa no processo de formação dos estudantes do ISCED do Huambo.

Partindo do ponto de vista que a universidade deve definir o modelo de formação, neste caso o “Modelo Pedagógico”, na base deste cada instituição define o seu projecto educativo institucional, tendo em conta o diagnóstico que espelha a realidade da situação actual do processo de formação dos estudantes do ISCED do Huambo, para dar maior ênfase à componente investigativa, sugere-se um currículo por competências, isto é, para resolver problemas profissionais, baseado num modelo por competências e numa estratégia de direcção da componente invesigativa no processo de formação.

Valorização dos resultados da investigação pelos peritos

Este método permite analisar e enquadrar o marco das condições actuais de um dado fenómeno e constituir-se uma imagem integral e mais ampla sobre a sua evolução, na génese das valorizações efectuadas pelos peritos, expertos e ou especialistas, na base da lógica de suas experiências intuitivas sobre o tema. No enquadramento particular deste trabalho o método em questão foi aplicado para o modelo e proposta da estratégia que são o arcaboiço do presente trabalho.

Com efeito, neste capítulo, faz-se a caracterização dos peritos, espertes ou especialistas seleccionados para valorizarem o modelo e a estratégia, esclarecendo-se os critérios adoptados para a sua caracterização. Tornam-se explícitos os passos metodológicos efectivados na aplicação do Método de Delphi, circunscritos no seguinte itens:

• Cálculo do coeficiente de competência dos peritos (k);

• Cálculo das frequências absolutas das avaliações por cada pergunta;

• Cálculo das frequências acumuladas das avaliações por cada pergunta;

• Cálculo dos pontos de corte;

• Cálculo do coeficiente de concordância entre os peritos;

• Prova de concordância de Kendall W;

• Teste de Friedman;

Tendo em conta os pressupostos de investigação definidos, sobretudo no que diz respeito à hipótese levantada, com aplicação deste método procura-se confirmar a possibilidade de elevar a pertinência do plano de formação do ISCED do Huambo, no relativo à componente investigativa e consequentemente contribuir para a formação da competência investigativa.

Para a aplicação do Método de Dephi, foram seleccionados oito (8) peritos, espertes ou especialistas, nacionais e estrangeiros, profissionais da educação, tendo como sustentáculo básico os seguintes critérios:

• Tempo de experiência de docência;

• Categoria docente;

• Especialidade;

• Grau científico;

• Vínculo laboral;

• Participação em eventos científicos e envolvimento em trabalhos investigativos;

O anexo 16 é o referencial do teste que foi aplicado aos oito (8) especialistas profissionais seleccionados para a sua auto valorização. A totalidade dos especialistas submetidos aos testes é Doutorado em Ciências da Educação, na categoria de Associados com mais de 15 anos de experiência docente universitária. Todos já leccionaram a cadeira de Metodologia de Investigação Cientifica, sendo três (3) em cursos de graduação e mestrados e os restantes cinco (5) apenas em cursos de graduação.

As suas opiniões sobre a temática em questão foram condicionadas aos procedimentos empíricos, consistindo estes no processamento estatístico das mesmas. Na sequência da referida caracterização faz-se a descrição dos processos metodológicos adoptados para o efeito.

Para a aplicação do Método de Dephi, foram seleccionados oito (8) peritos, espertes ou especialistas, nacionais e estrangeiros, profissionais da educação, tendo como sustentáculo básico os seguintes critérios:

• Tempo de experiência de docência;

• Categoria docente;

• Especialidade;

• Grau científico;

• Vínculo laboral;

• Participação em eventos científicos e envolvimento em trabalhos investigativos;

A totalidade dos especialistas submetidos aos testes é Doutorado em Ciências da Educação, na categoria de Associados com mais de 15 anos de experiência docente universitária. Todos já leccionaram a cadeira de Metodologia de Investigação Cientifica, sendo três (3) em cursos de graduação e mestrados e os restantes cinco (5) apenas em cursos de graduação.

As suas opiniões sobre a temática em questão foram condicionadas aos procedimentos empíricos, consistindo estes no processamento estatístico das mesmas. Na sequência da referida caracterização faz-se a descrição dos processos metodológicos adoptados para o efeito.

Descrição determinação do Coeficiente de Competência dos peritos

O coeficiente de competência (K), consiste na opinião do perito, esperte e ou especialistas sobre o seu nível de conhecimento acerca do problema em consideração e foi determinado na base da formula K= ½ (Kc + Ka).

É imperioso reter que K representa o coeficiente de competência, Kc é o coeficiente do conhecimento ou informação do perito, experto e ou especialista sobre o tema, enquanto que Ka corresponde ao coeficiente de argumentação ou fundamentação dos critérios dos mesmos (peritos, expertos ou especialistas).

Os valores assinalados pelos especialistas, na escala de auto valorização (constante num dos instrumentos aplicados aos especialistas) constituíram o pressuposto de mensuração do cálculo de coeficiente do conhecimento (Kc).

Procedimento prático: o valor assinalado pelo especialista foi multiplicado por 0,1, o resultado da referida operação revela o Kc do perito, experto ou especialista. Para clarificar toma-se o subsequente exercício de procedimento prático efectuado no presente trabalho. Por exemplo, se um especialista marcou o número 7, este é multiplicado por 0,1 ou seja, (7. 0,1) =Kc. Neste caso Kc=0,7. Isto quer dizer que se o especialista escolher 5, o Kc=0,5 porque 5.0,1=0.5. No presente trabalho o primeiro especialista escolheu 9, logo o seu Kc =0,9.

Relativamente ao coeficiente de argumentação (Ka) o especialista autoavaliou-se consoante as categorias alto, médio e baixo, em função do grau de influência das fontes: análise teórica feita pelo especialista, sua experiência, trabalho de autores nacionais, trabalho de autores estrangeiros, seu próprio conhecimento sobre o estado do problema a nível global e a sua intuição (itens constantes no questionário a estes aplicado). Este coeficiente recebe a soma de valores que correspondem a cada quadradinho seleccionado ou marcado por cada perito. O coeficiente de competência (K), constitui a expressão do resultado da soma dos dois coeficientes anteriores; o seu valor encontra-se sempre entre os valores 0,25 e 01. Quanto mais próximo estiver o valor de K de 1, maior é o grau de competência do especialista em causa. Tendo como referência o exercício de auto valorização do primeiro especialista o resultado mostra que ka =0,97; Kc=0,9; logo, K = ½ (0,97+0,9)= 0,94 que é o valor que assume o coeficiente de competência do referido especialista. Dos oito especialistas seleccionados podemos notar que o valor de competência mais baixo é o de 0,92, referente ao segundo e o sexto especialistas considerado alto tendo em vista a aproximação à 1.

Os resultados obtidos revelam que todos especialistas seleccionados têm uma elevada competência, o que significa que os seus juízos enaltecem a relevância do modelo e respectiva estratégia proposta, o que dá o aval de serem aplicados na prática, na expectativa positivista de poderem contribuir para o aumento da pertinência do plano de formação do ISCED do Huambo, no tocante a componente investigativa, e consequentemente contribuir para a formação da competência investigativa.

Apresentação e análise dos resultados da valorização pelos peritos

Todos os especialistas seleccionados foram submetidos ao preenchimento de um questionário que a quando da sua consideração foi adjudicado ao modelo e a proposta da estratégia, em que se apresentou uma visão geral, e recomendou-se que os especialistas apresentassem propostas e/ou alterações que contribuam para adestramento da problemática. Em concomitância foram apresentadas as categorias e a escala de avaliação utilizados para a recolha dos critérios dos especialistas envolvidos na valorização do modelo adequado e da estratégia para a direcção da componente investigativa.

As categorias descritas, patentes no instrumento administrado tem a seguinte disposição e leitura:

Escala de valorização das variáveis nominais: MA (Muito adequado) =5; BA (Bastante adequado) =4; A (adequado) =3; PA (Pouco adequado) =2; I (Inadequado) =1

Como é óbvio, a aplicação dos referidos instrumentos produziram resultados. Os referidos resultados são reflexo da valorização atinente a cada um dos especialistas às dezoito perguntas do instrumento aplicado, de acordo com a escala de valorização supra referenciada.

Fazendo a contextualização da aplicação no presente trabalho, na primeira questão, os especialistas seleccionados tiveram as seguintes opções: os oito (8), direccionaram a sua escolha em (MA) valorizado na escala com 5. O presente exemplo, com opções diferenciadas é extensiva às dezoito (18) questões formuladas.

Se os resultados obtidos revelam estruturação lógica dos elementos da estrutura do modelo que sustenta a proposta da estratégia, pode inferir-se que o modelo é pertinente e a aplicação da estratégia dele derivada garante efectividade e relevância.

Como resultado da aplicação dos testes de frequências apresenta-se uma tabela com frequências traduzidas em forma numérica.

Em função da necessidade de avaliação das probabilidades, achou-se oportuno introduzir as frequências relativas e como se usa a distribuição normal, achou-se também conveniente que essas frequências relativas fossem calculadas sobre frequências acumuladas.

Fazendo análise das respostas dos especialistas às perguntas do questionário, quanto à uniformidade nas respostas, existe coincidência de julgamento na valorização à 100% nas questões, p4, p5, p8, p9, p11, p12, p13, p16, p17 em BA e p1, p2 em BA. Pelo que se pode observar, com maior relevância os especialistas seleccionados, convergem absolutamente suas ideias na categoria de BA e seguido de MA, embora em apenas duas perguntas. A leitura feita quanto ao nível de convergência em BA, significa que o modelo e a proposta da estratégia são pertinentes, o que repercute satisfatoriamente na confirmação da hipótese inicialmente formulada.

Seguidamente, determinaram-se os valores das frequências relativas acumuladas por cada pergunta, cujos resultados estão espelhados na tabela do anexo 23. Na respectiva tabela calcularam-se as frequências relativas acumuladas, que são obtidas através do coeficiente de cada frequência absoluta sobre a última frequência absoluta acumulada da fila, isto é, dividem-se as frequências pelo total e obtém-se as frequências para cada pergunta. Os resultados revelam que apenas as perguntas (1 e 18), foram valorizadas na categoria (MA), sendo sua frequência relativa acumulada 1 que equivale a 100%. A nível de (BA) é notório a sua supremacia, pois que as perguntas (1,2,3,4,5,6,8,9,10,11,12,13,16,17,18), a sua frequência relativa acumulada como primária dos especialistas é 1 que representa 100%. Nesta categoria (BA) as perguntas menos valorizadas foram as (7,14,15), equivalendo cada a percentagem de 0,75% respectivamente.

Na sequência, determinam-se os valores da distribuição normal inversa acumulada. Estes valores são determinados a partir de uma tabela estatística de distribuição normal estandardizada. O passo subsequente é o cálculo das médias que são obtidas para cada fila e para cada coluna, que resulta da soma algébrica dos valores divididos pela quantidade de filas e colunas.

Desta feita, para cada coluna (categoria) à média calculada subtrai-se a média geral e resulta no ponto de corte de cada categoria, e para cada fila a média calculada para cada pergunta subtrai-se e obtém-se o valor da escala para cada pergunta. Para se obter a média geral, soma-se todos os valores (pontos) de distribuição normal e dividem-se pela quantidade total de pontos somados, cuja média geral é: 2,085.

Tenha-se como exemplo as perguntas 1 e 2 para a compreensão dos pontos de corte. Pergunta 1: 2,085-3,72=-1,63; Pergunta2: 2,085-2,62=-0,54.

Como se pode observar, a referida tabela reflecte a avaliação das perguntas, onde se pode constatar que a média calculada para cada coluna resulta no ponto de corte da respectiva categoria tal e qual se encontra destrinçado na figura abaixo. Como reflectem os resultados da figura, observando, nota-se que para todas as perguntas o ponto de corte para cada categoria é menor que 3,04. Com base nestes dados pode-se concluir que o modelo proposto e a respectiva estratégia oferecem garantia e pertinência ao serem aplicados na prática e, como consequência confirmam a hipótese inicialmente levantada. O referido resultado pode observar-se na escala subscrita.

Figura de Escala de pontos de corte

Valores de escala dos limites de categoria

Adequado

Muito

Adequado

Bastante

Adequado

-2,14

3,04

3,72

O valor de escala para cada pergunta selecciona-se neste raio numérico, na medida em que todos ao valores estão compreendidos na categoria de bastante adequado (BA), pois que são menores que 3,04.

Teste de concordância de Kendall W

Aplicou-se o teste de concordância de Kendall W na base do programa de análise estatística SPSS, em que se fez a análise factorial de K=1,00 e N número de perguntas =18.

Para confirmar se existe concordância entre os peritos na valorização do conjunto de critérios que avaliam a proposta do modelo e da estratégia de direcção da componente investigativa no processo docente no ISCED – Huambo, na base do teste de concordância de Kendall W, partiu-se da definição de duas hipóteses: H0 – hipótese nula e H1 - hipótese científica.

H0 – Não existem concordâncias estatisticamente significativas entre os peritos na valorização do conjunto de critérios que avaliam a proposta da estratégia de direcção da componente investigativa no processo docente educativo no ISCED – Huambo.

H1-Existem concordâncias estatisticamente significativas entre os peritos na valorização do conjunto de critérios que avaliam a proposta da estratégia de direcção da componente investigativa no processo docente educativo no ISCED – Huambo.

Os resultados do teste revelam os seguintes valores: W=,757 e Sig=,000.

O resultado do teste, o grau de significância do coeficiente de concordância de Kandall no valor de ,000 nota-se que apresenta uma diferença estatisticamente significativa ao nível de P menor ou igual a 0,05. Logo, na base da significância é mais do que evidente a refutação da Hipótese nula e a confirmação da hipótese científica, na medida em que este nível de significância revela que existem concordâncias estatisticamente significativas (Pestana, & Garreiro, 2000).

Como conclusão do teste, pode-se afirmar que existem razões objectivas para afirmar que o valor obtido do coeficiente de concordância é muito significativo. Isto torna evidente que os juízos dos peritos estão correlacionados positivamente.

Teste de concordância de Friedman

Como se pode observar nos resultados da determinação do coeficiente de concordância entre os peritos, o teste de concordância de Friedman confirma a forte correlação positiva. Pode-se observar que o valor Qui-quadrado é alto, no valor de 108,985, com um nível de significância bastante considerado, no valor de ,000 ao nível de P menor ou igual a 0,05.

De forma genérica, os resultados evidenciam que os peritos atribuem pertinência teórica e prática na qualidade da concepção da estratégia assim como na sua efectividade quanto à sua aplicação.

Independentemente da concordância criteriosa entre os peritos em (BA) com uma percentagem equivalente a 83%, notou-se a variabilidade nas questões 7, 14 e15, em que 94,4% dos peritos seleccionaram (BA) muito adequado e 5,6% seleccionaram (A) adequado.

As recomendações cingiram-se essencialmente na implementação da estratégia num período de 4 anos, para analisar, findo estes, o nível de desenvolvimento das habilidades investigativas dos estudantes.

Estratégia de direcção da componente investigativa nos ISCED.

Tendo em conta os resultados do diagnostico ou seja a análise da situação real da instituição quanto a componente investigativa no peocesso de fromaçao do professor propoem-se a estratégia de direcção da componente investigativa que teve como gênese o Modelo de Direcção Investigativa de Castellano & Beatriz , 1991, 2000; cujos pressupostos teóricos do mesmo situam-se nos planos filosófico, social, de direcção, epistemológico, didáctico e metodológico.

A estratégia tem como objectivo promover o desenvolvimento da competência investigativa nos estudantes do ISCED do Huambo, através da direcção efectiva da componente investigativa e da sua integração com as componentes académica e laboral.

A mesma é desenvolvida através de destintas etapas subscritas: Etapa de disgnostico, Etapa de estabelecimento da componente investigativa e Etapa de avaliação. Importa realçar que cada uma das epatas tem as suas distintas fases. A implementação da estratégia é efectivada na etapa de estabelecimento da componente investigativa na sua II fase que é a de aplicação. Esta fase tem como essencia a execução das acções necessárias para o alcance dos objectivos a partir das condições criadas na planificação e organização, como consequência da interacção harmónica e coerente de seus componentes.

Para isso, as acções fundamentais correspondentes aos gestores referem-se ao exercício das funções directivas de regulação (mando), controlo e avaliação, que devem propiciar os elementos necessários para a tomada oportuna e dinâmica das decisões que se requeiram no curricular, organizativo, metodológico e o asseguramento material. Determinar os objectivos relacionados com a formação investigativa por anos, assim como as acções, habilidades e valores a desenvolver do primeiro ao último ano de graduação.

Primeiro ano

Que os estudantes se motivem pela actividade investigativa e adquiram hábitos e condutas investigativas relacionadas com a busca, uso da informação técnico cientifica atinente ao processo docente educativo.

Acções:

• Constituir grupos para trabalhos de pesquisas elementares;

• Formar e desenvolver habilidades para resumir, fixar, e usar bibliografias;

• Criar e desenvolver a atitude de busca parcial da informação científica para utilização em trabalhos individuais e colectivos através dos meios e métodos tradicionais e modernos;

• Criar hábitos e atitudes de análise crítica da informação científica através de exposição de seus pontos de vista;

• Organização de seminários e outras formas de organização académicas que propiciem o debate;

• Avaliar criticamente em grupo o cumprimento do programa do ano e sua pertinência na área de formação; Trabalho de fim de ano.

Habilidades:

• Resumir informação;

• Usar bibliografia;

• Fixar informação.

Valores:

• Colaboração, como disposição ao trabalho investigativo em colectivo, a partilhar e socializar a informação;

• Atitude crítica para julgar a informação de pontos de vista próprios e de outros especialistas.

Objectivos do 2º ano

v Que os estudantes sejam capazes de consolidar as atitudes científicas adquiridas no primeiro ano e de apresentar um micro-relatório sobre a apreciação das aulas, como trabalho de fim do ano.

Acções:

• Intensificar trabalhos em grupo e individuais;

• Incrementar o desenvolvimento de habilidades para o trabalho com bibliografias;

• Intensificar o hábito de busca da informação científica através do uso da biblioteca e Internet;

• Processar a informação;

• Intensificar a análise crítica da informação científica na base da sistematização de debates através de distintas formas de organização das aulas;

• Assistência às aulas práticas de professores de distintos níveis de ensino;

• Apresentar um informe (micro-relatório) sobre a apreciação das aulas. - Trabalho de fim de ano.

Habilidades

• Usar bibliografia;

• Processar informação;

• Analisar-sintetizar;

• Interpretar informação.

Valores

• Colaboração, como disposição ao trabalho investigativo em colectivo, a partilhar e socializar a informação;

• Independência para manejar a informação, analisar, sintetizar interpretar, processar informação;

• Compromisso com a solução dos problemas do processo pedagógico;

• Atitude crítica e autocrítica para julgar os pontos de vista próprios e de outros especialistas;

• Honestidade científica que garanta a não falsificação ou tergiversação da informação em função de interesses alheios à ciência.

Objectivos do 3º ano

- Que os estudantes sejam capazes de realizar explorações da realidade educativa, fazendo uso correcto dos métodos de diagnóstico para comparar a realidade educativa actual com o modelo desejável; identificar possíveis problemas de investigação na realidade educativa e formular correctamente o problema de investigação seleccionado;

- Que os estudantes sejam capazes de planificar uma investigação educativa até o nível facto-perceptível, determinando todas as categorias do desenho teórico da investigação;

- Que os estudantes sejam capazes de construir o marco teórico e contextual de uma investigação, utilizando e processando a informação científica com uso de meios tradicionais e tecnológicos modernos.

Acções:

• Explorar a realidade educativa;

• Planificar a actividade investigativa para que o profissional da educação deverá: determinar o objecto da investigação, determinar os objectivos de investigação, determinar o campo de acção da investigação, determinar os pressupostos hipotéticos, determinar a população e a amostra, determinar os métodos de investigação necessários e suficientes;

• Executar projectos de investigação: desenvolver algumas das tarefas de investigação planificadas;

• Participar activamente na prática docente;

• Processar informação: o processamento dos dados necessários para o processo da investigação, a análise estatística dos mesmos, mas implica, ademais, a interpretação dos mesmos em correspondência com a teoria, este é, em nossa opinião, um dos momentos mais importantes da investigação,

• Elaborar informações sobre a investigação;

• Comprovar o uso da informação;

• Realizar trabalhos de campo sobre a prática docente;

• Comunicar os resultados da actividade científica.

Habilidades

• Identificar possíveis problemas;

• Formular o problema da investigação;

• Planificar uma investigação;

• Processar informação;

• Elaborar o marco teórico e contextual da investigação.

Valores

• Colaboração, como disposição ao trabalho investigativo em colectivo, a partilhar e socializar a informação;

• Independência para manejar a informação, analisar, sintetizar, abstrair, inferir, interpretar teorias, aplicá-las a seu redor;

• Compromisso com a solução dos problemas do processo pedagógico, com seu melhoramento;

• Flexibilidade para investigar o objecto atendendo à complexidade e multicausalidade dos fenómenos educativos;

• Exigência na aplicação dos métodos utilizados;

• Atitude crítica e autocrítica para julgar os pontos de vista próprios e de outros especialistas;

• Honestidade científica que garanta a não falsificação ou tergiversação da informação em função de interesses alheios à ciência.

Objectivos do 4º ano

v Que os estudantes sejam capazes de resolver um problema da prática educativa aplicando competentemente a investigação científica, e de comunicar os resultados da investigação, através do trabalho de fim de curso, mostrando um pensamento científico-teórico, independência, profundidade, logicidade, flexibilidade, originalidade, fluidez e economia de recursos, e vínculo da teoria com a prática.

Acções:

Realizar um estágio curricular de prática docente durante um ano onde desenvolve as seguintes acções:

• Planificar a investigação para que o profissional da educação deverá: determinar o objecto da investigação, determinar os objectivos de investigação, determinar o campo de acção da investigação, determinar os supostos hipotéticos, determinar a população e a amostra, determinar os métodos de investigação necessários e suficientes, determinar as tarefas de investigação necessárias e suficientes, determinar antecipadamente os resultados da investigação, determinar os recursos necessários para a obtenção e a introdução dos resultados, determinar os tempos necessários para a obtenção dos resultados, determinar antecipadamente as formas e vias para a introdução na prática dos resultados; elaborar o documento do projecto de investigação ou inovação tecnológica, desenhar projectos educativos para a realização de experiências pedagógicas avançadas, desenhar projectos de gestão de recursos, desenhar projectos de Trabalhos de fim de curso, identificar possíveis instituições financeiras dos projectos de gestão, concertar com os financeiros as formas e vias de financiamento;

• Executar projectos de investigação: desenvolver as tarefas de investigação planificadas nos tempos e com os recursos comprometidos, para isso, o profissional da educação deverá: executar as tarefas planificadas, executar o pressuposto designado ao projecto, controlar os recursos designados ao projecto;

• Planear (estabelecer um plano de acções sobre uma questão);

• Comunicar os resultados da actividade científica: apresentar de forma escrita, com uma linguagem clara e acessível, os resultados da actividade científica-investigativa; expor oralmente, em eventos, conferências, etc., os resultados da investigação, intercambiar pontos de vistas com outros colegas;

• Efectuar o relatório de estágio e do curso;

• Efectuar o trabalho de fim de curso (tese de licenciatura);

• Introduzir e generalizar os resultados na prática educativa;

Habilidades

• Explorar a realidade educativa;

• Planificar a investigação educativa;

• Executar a investigação educativa;

• Processar informação;

• Comunicar resultados de forma oral e escrita;

• Generalizar e transferir os resultados da investigação.

Valores

• Colaboração, como disposição ao trabalho investigativo em colectivo, a partilhar e socializar a informação;

• Independência para manejar a informação, idealizar soluções inovadoras, analisar teorias, aplicá-las a seu redor e construir novos conhecimentos que tributem às Ciências da Educação;

• Compromisso com a solução dos problemas do processo pedagógico, a introdução dos resultados da investigação na prática e a defesa da autoridade da ciência para a transformação da realidade educativa;

• Flexibilidade para investigar o objecto atendendo à complexidade e multicausalidade dos fenómenos educativos, rejeitando posições rígidas ou ideias preestabelecidas;

• Exigência na aplicação do método científico no seu contexto de actuação profissional;

• Atitude crítica e autocrítica para julgar os pontos de vista próprios e de outros especialistas;

• Honestidade científica que garanta a não falsificação da informação em função de interesses alheios à ciência;

• Criatividade na solução do problema, na construção de alguns conhecimentos novos.

1. Realizar jornadas e eventos científicos com a participação dos estudantes.

2. Estimular os participantes, e aos que obtenham prémios, tanto individuais como por grupos de projectos.

3. Modificar o plano de estudo de alguns estudantes (os avantajados) no sentido de adicionar, suprimir ou substituir disciplinas; segundo se considere necessário, para que possa dedicar maior tempo à investigação. Para além disso, se podem realizar ajustes na planificação e organização do processo docente educativo;

4. Planificar, organizar e executar investigações educativas dos estudantes em volta aos temas de investigação de teses de mestrado e doutoramento;

5. Programar a investigação em períodos de médio a longo prazo (por um tempo não inferior a dois anos). Esta programação permitirá identificar a quantidade de tarefas a desenvolver, seu nível aproximado de complexidade e o momento em que o deverá executar, o que propiciará uma distribuição das mesmas entre os estudantes, de acordo ao ano que cursam, sua preparação e o nível de destrezas e conhecimentos demonstrados. Para o seu cumprimento requer-se a existência de um bom desenho de investigação por parte dos professores – investigadores.

6. Elaborar para cada estudante a estratégia de trabalho até culminar o curso, a que se concretizará anualmente na continuidade da actividade de investigação. Aqui é importante combinar as tarefas investigativas com as de formação como futuros investigadores, as quais podem assumir a forma de seminários, conferências, mesas redonda, etc.

7. Designar de tarefas de investigação segundo complexidade: aqui se trata de conciliar o processo de preparação, e portanto, o ritmo de desenvolvimento das atitudes e habilidades dos estudantes com o grau de dificuldade das tarefas consignadas progressivamente, com o objectivo de evitar que o estudante se sinta aborrecido pelo peso das tarefas, cuja envergadura exceda os limites de suas possibilidades, o que pode conduzir a fracassos, pobres resultados e portanto à frustração e ao desalento. Isto não significa que só se devem designar tarefas elementares e rotineiras, que conduzam o estudante a sensação de que se lhe subestima.

Para alcançar essa progressividade na designação de tarefas requer-se uma continuidade no trabalho de grupos estudantis começando desde o terceiro até ao último ano do curso.

8. Elaborar previamente uma plataforma investigativa a partir da qual se incorpora os estudantes, o que requer um trabalho prévio no tema, por parte do professor investigador, onde se tenha demonstrado a viabilidade do mesmo com o fim de evitar frustrações nos estudantes que nesta etapa podem ter um efeito desistimulante, se se vinculam a um tema na sua fase inicial, já que, como se sabe, tem um alto risco e incertezas com relação aos seus resultados. Com isto se alcança a articulação dos trabalhos dos grupos com as fases intermédias do processo de investigação:

9. Vincular a actividade investigativa dos estudantes com a prática docente:

Esta acção tem grande incidência na formação dos estudantes, já que permite ter acesso aos usuários que servem de contrapartida ao colectivo de investigação, para além de exercer uma influência significativa sobre sua motivação perante o trabalho investigativo.

Por outro lado a apresentação de resultados intermédios nos encontros com funcionários da instituição em que realizam a investigação, através de entrevistas, questionários ou outro tipo de actividade para recolher informações, permite desenvolver importantes habilidades nos estudantes relacionadas com as capacidades de expressão, comunicação, redacção de informes, etc.

Conclusões gerais

A aplicação da proposta feita deve partir da comprovação experimental para a validação empírica da mesma; para que tal aconteça é necessário que a Direcção do ISCED crie condições de aplicabilidade, resumidas essencialmente no conhecimento da estrutura e da dinâmica da estratégia e na preparação dos professores.

1. O Diagnóstico sobre a componente investigativa na integração componente académica e laboral no processo de formação dos estudantes do ISCED do Huambo, permitiu constatar que existem insuficiências quanto ao desenvolvimento das competências investigativas.

2. Para elevar a competência investigativa através do processo docente é necessário que na integração tridimensional (componente académica, laboral e investigativa) seja tida a investigação como uma componente dinâmica que deve ser desenvolvida simultaneamente com as outras.

3. A aplicação do Método de Delphi permitiu efectuar a validação teórica da proposta do modelo e da estratégia e revelar que a aplicação prática da referida estratégia pode contribuir a elevar a competência investigativa no processo de formação dos estudantes do ISCED do Huambo.

Recomendação

A aplicação da proposta feita deve partir da comprovação experimental para a validação empírica da mesma; para que tal aconteça é necessário que a Direcção do ISCED crie condições de aplicabilidade, resumidas essencialmente no conhecimento da estrutura e da dinâmica da estratégia e na preparação dos professores.

Referências bibliográficas

1. ALONSO, L. (2000b). “Desenvolvimento curricular, profissional e organizacional: uma perspectiva integradora da mudança”. Revista Território Educativo, nº 7.

2. ALONSO, L. (2001). “A Abordagem de projecto Curricular Integrado como uma proposta de inovação das práticas na escola básica”. Braga: Universidade de Minho.

3. ALONSO, L. (2002). “Para uma teoria compreensiva sobre a integração curricular”. O contributo do projecto PROCUR, Infância e Educação. Investigação e Práticas, nº5.

4. ALONSO, L. (2003). “Desenvolvimento profissional dos professores e inovação educativa: contextos, concepções e práticas”. Revista Elo, número especial.

5. ALONSO, L. (2004). “Currículo, situações educativas e formação de professores: Inovação curricular e Desenvolvimento profissional”. Uma romagem Meta-reflexiva a Tempos de Formação e Mudança. Educa Editora, Lisboa.

6. ARREDONDO, M. et al. (1994), “Notas para un modelo de decencia, En: Administración de la Educación IV , Curso de Formación de profesores”

7. CASTELLANOS & BEATRIZ (2000) “Apuntes para la construcción de un ECRO acerca de la investigación educativa”. Centro de Estudios Educacionales, Universidad Pedagógica Enrique José Varona, La Habana

8. CASTELLANOS & BEATRIZ. (1991). “Apuntes para la construcción de un ECRO acerca de la investigación educativa”. Centro de Estudios Educacionales, Universidad Pedagógica Enrique José Varona, La Habana ,

9. CASTELLANOS. et. Al. (2001). “Hacia una concepción del aprendizaje desarrollador”. Colección Proyectos, Centro de Estudios Educacionales, Universidad Pedagógica Enrique José Varona, La Habana , 2001

10. DELORS, JACQUES (1996). “La educación encierra un tesoro”. Informe a la UNESCO de la Comisión Internacional sobre la Educación para el siglo XXI. Madrid: Editorial Santillana/UNESCO.

11. DOLORS, J. (2001). “ A Educação Um Tesouro a Descobrir” (Relatório a UNESCO da comissão internacional sobre a educação para o século XXI); 7º Edição, Edições ASA

12. FERNÁNDEZ, F. et al. (2000). “Diseño Curricular”. Instituto Pedagógico latinoamericano y caraibeño. Cuba.

13. MARCELO, G. C. (1992a). “La investigación sobre formación del Profesorado: Métodos de investigación y Análisis de Datos”. Itala: Editorial Cincel.

14. MARCELO, G. C. (1992b). “A Formação de Professores: Novas perspectivas Baseadas na Investigação sobre o Pensamento do Professor”. In Nóvoa, A. (ed), Os Professores e a Sua Formação. Lisboa: Publicações D. Quixote/IIE.

15. MESQUITA, J. & RODRIGUEZ, J, F (2004). “Como investigar em Pedagogia”. Editorial Pueblo y Educación. Cuba.

MSc. Alfredo Maria de Jesus Paulo

Co-autor: MSc. Guilherme Carlos Agostinho - guilhermecarlos77arrobayahoo.com.br

Comentarios
comments powered by Disqus

Nuevas publicaciones

⇐ Hazte Fan en Facebook
⇐ Síguenos en Twitter
⇐ Agréganos en Google +
⇐ Suscríbete vía Email
"Si tú tienes una manzana y yo tengo una manzana e intercambiamos las manzanas, entonces tanto tú como yo seguiremos teniendo una manzana. Pero si tú tienes una idea y yo tengo una idea e intercambiamos ideas, entonces ambos tendremos dos ideas"
George Bernard Shaw
Comparte conocimiento
Contenidos publicados con licencia CC BY-NC-SA 3.0 a excepción de los casos en los que se indican derechos de autor específicos. Sugerimos contactar a los autores al usar material públicamente.