Bruno Latour – Ciência em ação. Um texto de acompanhamento de leitura e sugestões de monografias

  • Otros
  • 1 hora de lectura
BRUNO LATOUR - CIÊNCIA EM AÇÃO
um texto de acompanhamento de leitura e sugestões de monografias
Vittorio Pastelli
Edição utilizada:
Ciência em ação — como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora
Tradução de Ivone C. Benedetti
Editora Unesp, São Paulo, 2000
Palavras-chaves: Latour, T.S. Kuhn, Paul Feyerabend, sociologia da ciência, filosofia da ciência, ciência, tecnologia,
experimento, translações, regras metodológicas, sociologia, laboratórios
Introdução: Abrindo a caixa preta de Pandora
Usando uma espécie de dinâmica cinematográfica, Latour analisa três momentos na história
recente da ciência e da tecnologia:
1985: John Whittaker, no Instituto Pasteur, em Paris, analisa sequências de DNA e, com os
dados, monta imagens tridimensionais da dupla hélice, com um computador Eclipse
MV/8000.
1951: James Watson e Francis Crick procuram qual seria a estrutura da molécula de DNA,
tentando várias hipóteses.
1980: Tom West, na empresa Data General, nos EUA, tenta pôr para funcionar um
protótipo da máquina que viria a ser a Eclipse MV/8000.
Os exemplos são, bem de acordo com o subtítulo do livro, tirados tanto de contextos
científicos como de tecnológicos. A distinção ciência/tecnologia ou ciência pura/ciência
aplicada não interessa ao autor. Ele encontrará em todas essas atividades, doravante
chamadas tecnocientíficas, similaridades que impedem qualquer distinção clara e útil.
O que mais importa é o conceito de caixa preta. Em 1985, tanto o caráter de dupla hélice
do DNA como o funcionamento do Eclipse são caixas pretas. Ou seja, cabe seguir adiante e
1
não reabrir tais caixas e examinar seu conteúdo. Em 1951, a estrutura do DNA era uma
caixa aberta, que só o trabalho de Watson e Crick (evidentemente, depois de a comunidade
científica estar devidamente convencida) viria a fechar. O mesmo vale para o trabalho de
Tom West, em 1980.
É nessa introdução que Latour também apresenta a dupla face de Jano, o Jano científico. A
face direita representa a ciência em construção e a esquerda, a ciência pronta. A face
esquerda sempre dirá, sobre as atividades tecnocientíficas, sentenças que apelam para
noções de "verdade", "realidade", "princípios", "rigor" etc. A face direita, que representa a
ciência em construção, sempre falará de "convencimento", "decisão", "estratégia" etc. É
que o apelo à verdade ou à realidade só pode ser feito, para Latour, depois que a realidade
foi estabelecida e, portanto, falar dela passa a ser falar a verdade. Mas, antes disso, ou o
mundo não existe (uma posição filosófica demais para o autor, que sempre evita o lamaçal
dessas discussões) ou não temos meios de conhecê-lo e, assim, devemos tomar decisões no
escuro. Depois de tomada a decisão (e, especialmente, se a decisão foi frutífera), diremos
que tomamos o caminho da verdade. Mas isso, enfatizemos, é sempre dito a posteriori.
[Textos em azul são sugestões para discussão entre os alunos, diferente dos textos em preto,
que têm caráter apenas informativo.]
"Quem é esse Jano?" é uma questiúncula interessante. É o cientista, o tecnólogo ou o
estudioso da ciência? Dificilmente seria o tecnólogo, pouco preocupado com esse tipo de
coisa. Latour afirma que é "a ciência". OK. Pois, embora estude C&T, reconhece que os
tecnólogos não fazem esse discurso e que nem todo estudioso de ciência o segue. Assim,
esse "a ciência" seria melhor entendido "os cientistas".
A noção de caixa preta é importante para diferenciar contexto e conteúdo. Em 1985, tanto a
estrutura do DNA como o desempenho e confiabilidade do Eclipse são parte do contexto. O
conteúdo mesmo da pesquisa não passa por ali, da mesma forma que, na seção de materiais
e métodos de um paper sobre clonagem, o cientista não analisará a estrutura do DNA,
discutirá que proteínas são feitas a partir de aminoácidos etc. Isso já é parte do contexto ou
seja, saiu do foco de atenção e foi para o cenário, cedendo lugar para que outras questões
desempenhem o papel principal. Mas, em algum outro ponto da história, essas peças de
contexto não eram ainda caixas pretas. estudar como essas caixas se fecham, como são
usadas quando fechadas e como podem ser eventualmente reabertas é o propósito do livro.
Latour nota que tanto West como Watson e Crick, no momento da descoberta (no momento
em que a caixa preta está aberta) referem-se a seu objeto de estudo e às decisões que têm de
tomar para seguir adiante em termos que pouco têm a ver com o discurso da ciência
fechada (da história da ciência que é reescrita quando a caixa preta está fechada):
West: organograma, gosto, protocolar, burocrático, minimizar riscos. São as expressões
que usa quando analisa um chip fabricado por um concorrente (p. 18).
Watson e Crick: suspense, tom, jogada, prazo de publicação. São o que eles dizem quando
julgam um paper de Linus Pauling, que descreve erradamente a estrutura do DNA (p. 20).
Nessa altura, a tese de Latour é bem forte: não existe "a coisa" e "o julgamento sobre a
coisa". Se existisse (o que é a tese mais senso comum sobre a atividade científica), então
diríamos que West faz uma análise técnica e, depois, faz algumas considerações sobre a
empresa que criou o chip concorrente. Mas o fato é que, no momento de decisão, o
julgamento tem de ser feito on the fly, sem que "a coisa" seja bem conhecida. Portanto,
segue a tese de Latour: separar esse discurso em dois é um parti-pris ideológico sem muita
sustentação. Se, ao contrário, consoante com o método antropológico do autor, parte-se da
observação pura e simples do discurso dos envolvidos, fica inevitável ver um discurso só,
que é entendido por todos os atores, que não param para separá-lo em partes. Essa
separação é uma ferramenta de estudo usada por quem toma um partido realista e
cumulativo da ciência e não algo que esteja na atividade do cientista.
Watson teve de tomar uma decisão baseada numa dica de um colega de trabalho, que ia de
encontro a tudo o que estava escrito nos livros de química de até então. Como se decidiu?
Analisando o currículo, dados pessoais, avaliando a psicologia leiga do colega. Isso é
método? Só numa acepção muito ampla da palavra (p. 23).
3
Esse exemplo ilustra a
Primeira máxima de Jano:
face esquerda: "Aceite os fatos sem discutir".
face direita: "Descarte os fatos inúteis".
West precisava decidir, quando todos o pressionavam, se devia seguir em frente às cegas ou
construir um debugger para o Eclipse. O que seria mais eficiente?
Isso leva à
Segunda máxima de Jano:
face esquerda: "Fique sempre com a máquina mais eficiente".
face direita: "Decida o que é eficiência".
West precisa terminar de debugar seu chip. Até que isso aconteça, a máquina, por definição,
não funciona. Depois que isso acontece (ou, pelo menos, depois que, na prática, ela passa
por alguns testes considerados cruciais pelos envolvidos), ela começa a funcionar. Mas, diz
o autor (p. 27): "Nenhuma das razões pelas quais ela funcionará depois de acabada ajuda os
engenheiros enquanto eles a estão construindo".
Isso exemplifica a
Terceira máxima de Jano:
face esquerda: "Quando a máquina funcionar, todos se convencerão".
face direita: "A máquina vai funcionar quando as pessoas interessadas estiverem
convencidas".
Watson e Crick, já dizendo conhecer a estrutura, ainda sentiam necessidade de sustentá-la
para seus pares. E esse sustentar quer dizer até construir com metal um modelo mais bonito
de ver. Apesar da controvérsia ainda aberta, o fato é que o modelo que eles propõem
concorda com outros fatos bem conhecidos. Isso ajuda no fechamento da caixa. Por quê?
Quarta máxima de Jano:
face esquerda: "O que é verdade sempre se sustenta".
face direita: "Quando as coisas se sustentam, elas começam a se transformar em verdade".
O subcapítulo no qual essas máximas são expostas é intitulado "Quando o suficiente nunca
é suficiente". É que, na hora da controvérsia, o que parece, depois, suficiente para atestar a
correção de uma teoria ou descrição, não é. A passagem de insuficiente para suficiente não
se dá por mera acumulação de resultados e, muito menos, pelo respeito a algum método. A
análise dessa passagem é o propósito desse livro.
Todas essas máximas da face direita de Jano baseiam-se no princípio de subdeterminação
de Duhem-Quine (nenhum fator isolado por fechar uma controvérsia, p. 31).
Nessa altura, Latour propõe sua
PRIMEIRA REGRA METODOLÓGICA
Estudamos a ciência em ação e não a ciência ou a tecnologia prontas; para isso, ou
chegamos antes de que os fatos e máquinas se tenham transformado em caixas-pretas, ou
acompanhamos as controvérsias que as reabrem.
As regras metodológicas são um pacote em relação ao qual é "tudo ou nada" (p. 36). Latour
as escolhe em detrimento de outras devido a sua crença de que elas são mais eficientes para
acompanhar melhor, por mais tempo e mais independentemente o trabalho dos cientistas e
tecnólogos. Essa é, assim, uma "metarregra" latouriana, que define como as regras são
escolhidas.
Uma coisa bem importante aqui é o papel passivo do estudioso. Ele "chega" e
"acompanha". Ele nunca intervém. Se o fizer, forçará cientistas e tecnólogos a responderem
a uma situação não-standard, qual seja, explicar ao forasteiro o que estão fazendo, o que
deverá muito provavelmente, resultar em um discurso ideológico.
À página 33, ele fala do trabalho do estudioso da ciência, que é basicamente observar o
processo que ele chamou em "Vida de laboratório", "subtrair modalidades".
Parte 1: Da retórica mais fraca à mais forte
5
Capítulo 1: Literatura
Parte A: Controvérsias
Neste capítulo, Latour vai falar de modalidades positiva e negativa.
Positiva quando uma sentença, inserida em outra, é tomada mais como fato.
Negativa quando essa mesma sentença pende para a ficção.
Antes, no entanto, dessas definições, Latour situa seu método como uma "perspectiva
relativista e crítica" (p. 39).
É crítica por não ter um ponto de partida, por "seguir" e não "guiar". É relativista por isso e
por também não assumir algum padrão como "a verdade", contra o qual regras, métodos e
resultados praticados ou obtidos pelos cientistas deverão ser julgados.
O autor começa com o exemplo de uma sentença que diz que o sistema de mísseis norte-
americano está em perigo devido à precisão de uns novos mísseis soviéticos. A sentença é
verdadeira ou falsa? Se verdadeira, deve-se seguir um curso de ação, criando novos
sistemas de defesa. Se falsa, deve-se seguir outro curso, verificando como pôde a agência
de espionagem obter informação imprecisa. Assumir uma perspectiva leva a ação posterior.
Assumir outra leva às condições de origem da enunciação. Seja como for, a sentença só
entra para discussão quando está inserida em outras. Em si, não é nada, não gera decisões,
não as exige. "Uma sentença pode ser tornada mais fato ou mais ficção, dependendo da
maneira como está inserida em outras. Por si mesma, uma sentença não é fato nem ficção;
torna-se uma ou outra, mais tarde, graças a outras sentenças" (p. 45).
Aqui fica bem claro o relativismo. Existe uma parti-pris de que não tem sentido examinar
verdade de sentenças atômicas (com o perdão do positivismo implícito). O máximo que se
pode pretender é coerência com conjuntos de outras sentenças, estas também dependentes
de outras, num holismo que lembra Quine e sua "máxima da mutilação mínima".
Uma vez que a ciência trata de enunciados e dado que sua verdade não pode ser julgada
caso a caso, mas apenas quando estes estão ligados a outros, enunciados por outras pessoas,
vem que a construção da verdade é um fato coletivo (o que Latour define como seu
Primeiro Princípio) e que existe uma "transformação retrospectiva do valor de verdade"
de sentenças, conforme as modalidades em que venham a ser inseridas mais tarde.
Uma vez que Latour não diferencia disciplinas, estamos aqui autorizados a incluir mesmo a
matemática (bem na linha de Reuben e Hersh, “A experiência matemática”, traduzido no
Brasil pela Francisco Alves, em 1985).
Parte B: Quando as controvérsias se inflamam e a literatura se torna mais técnica
Até aqui, vimos como um enunciado não tem valor de verdade desligado de outros e que as
controvérsias podem ser expressas como alterações de modalidade. A questão é que, em
ciência, essas controvérsias esquentam e é para resistir a essa temperatura que a ciência
produz seu resultado típico: o trabalho científico. (Em todo caso, dizer que esse veículo
retórico é um dos menos estudados me parece retórico.)
Latour começa com uma conversa entre leigos em que um diz ao outro que o jornal noticia
uma novidade científica. O outro duvida e o primeiro lança mão da qualidade do jornal.
Ainda sem crédito, lança mão das credenciais do articulista, depois das credenciais de quem
o articulista se refere, até que o oponente desiste. No fim de contas, a novidade é aceita não
pelo rigor, pela razão, mas por puro apelo à autoridade.
A face esquerda de Jano, da ciência pronta, diz que "A ciência não se dobra a um monte de
opiniões". Mas a face direita, da ciência em construção, diz "Como ser mais forte que um
monte de opiniões?". A face esquerda nega o poder da retórica. A face direita o reconhece e
o emprega, para ganhar discussões.
Aqui, como em outras ocasiões, friso para os alunos que o livro não é um
"desmascaramento" da atividade científica, mas, antes, de uma pesquisa empírica sem,
supostamente, pré-juízos. Friso que a ciência é assim e que sua imagem pública não é
cinicamente estudada mas, antes, perfeitamente compatível com esse fazer. Além disso,
friso que o impressionante é que isso "dá certo". Portanto, é preciso encontrar os motivos
desse dar certo e não ver nesse processo de pesquisa uma degradação da atividade
científica, que a colocaria a par de outras menos prestigiosas. Quero, na verdade, evitar
7
aquela leitura de que Kuhn foi vítima, de que, dado que a ciência (em especial, no caso de
Kuhn, a física) não parece seguir método, então tanto faz e tudo é ciência. Não, a ciência é
uma grande conquista e dá certo. O que é preciso é descobrir por quê, e isso só pode ser
feito se abandonarmos o pré-juízo de que existe um método a-histórico.
Latour passa agora a uma análise da bibliografia de um artigo. A controvérsia é sobre a
estrutura do fator de liberação do hormônio do crescimento. A. V. Schally afirma que ele
existe e tem dada estrutura. Seus críticos (que se mostrariam certos) afirmam que a
estrutura dada por Schally é a mesma de uma porção de hemoglobina, um contaminante
comum em extratos de encéfalo. Latour analisa um artigo de 1971. A bibliografia tem 32
artigos. Os mais antigos, aos quais o autor se reporta, dão-lhe inserção na disciplina. O
grosso é formado por artigos recentes, que lhe dão atualidade. Destes, só um que discorda
do autor é reportado. Mas ele não poderia deixar de o fazer, sob pena de estar escondendo
sujeira debaixo do tapete. Cita-o, então, mas diz que seus resultados são equívocos. O
diagrama de citações que Latour usa (de onde terá vindo essa forma de mostrar
bibliografia?) está na página 60. O físico e filósofo Jean-Marc Lévy-Leblond afirma que a
ciência se desconhece para mais de 10 ou 12 anos. Pelo diagrama, dá para ver que é mais
ou menos isso mesmo. O grosso das citações tem no máximo cinco anos de idade e a mais
antiga fora publicada 23 anos antes do artigo.
O que Schally faz com a bibliografia? Segundo Latour (p. 66), segue algumas regras:
enfraqueça os inimigos
paralise os que não puder enfraquecer
ajude os aliados se eles forem atacados
garanta comunicações seguras com aqueles que o abastecem de dados inquestionáveis
obrigue os inimigos a brigarem uns com os outros
se não tiver certeza de que vai ganhar, seja humilde e faça citações atenuadas
De fato, diz Latour: "são regras simples: são as regras dos velhos políticos".
Todas essas táticas visam a uma só coisa: isolar o leitor. Quer discordar do artigo? Mas,
pense bem; olha quem está do meu lado! Assim, o artigo científico é apresentado como
emblema de transparência, como algo que intima o leitor a entrar. Mas exige que ele entre
direito, seguindo as regras impostas pelo autor. Se sair da linha, a bibliografia (e a discussão
a que ela é submetida, pois nenhuma sentença tem valor em si, mas apenas quando
inserida no discurso de outros) o fará desistir. É uma calculada peça retórica, que visa a
ganhar o argumento pela autoridade. Na superfície, as citações seriam um resumo do
arcabouço lógico do texto. Mas quem o perscrutaria? Ninguém, nem ele está ali para isso.
É claro que, numa situação ideal, você poderá discordar ponto a ponto. Mas se não publicar,
ou se publicar e ninguém o ler e citar, então a discordância, por mais abalizada que seja,
terá sido nula. E como a construção de fatos é coletiva, vale o que é corrente, não o que é
bem argumentado.
O tópico seguinte é dedicado justamente às questões de citação. O sonho de um autor é ser
lido. Depois, citado. Melhor ainda, bem citado. Melhor ainda, deixar de ser citado, quando
seu nome deixar de figurar nos enunciados e a sentença inicial, perdendo modalidades
negativas (que a levam para as condições de enunciação) e ganhando positivas, deixa de
vez a especulação para se tornar fato. A descoberta original se transformará em
"conhecimento tácito" (p. 73) e passará ao contexto.
À página 75, existe um diagrama da história de um enunciado:
afirmação original (A é B)
modalidades negativas M-(A é B)
modalidades positivas e negativas M-+(A é B)
algo (mostrou que (A é B))
ausência total de modalidade (A é B)
conhecimento tácito (silêncio)
incorporação (instrumentos)
Daí temos uma conclusão interessante:
a ideia corrente é de que, por um texto ser técnico, então alija o leitor
mas a verdade é que por um texto alijar o leitor, então o chamamos técnico.
9
Parte C: Escrevendo textos que resistem aos ataques de um ambiente hostil
Em primeiro lugar, é preciso ver que os textos se fortalecem, conforme vão lançando mão
de mais referências e, principalmente, quando trazem figuras e tabelas. Estas são "o
mundo" dentro do texto. No caso de referências bibliográficas, o referente estava sempre
fora do texto. Mas as figuras dizem outra coisa: "Você duvida? Então veja aqui mesmo".
À página 83, o autor comenta que, no texto científico, conforme o leitor se embrenha, não
vai da autoridade (do autor e de suas referências) para a Natureza, mas de autoridade para
mais autoridade.
Nem poderia ser diferente, dado o partido do autor. "A Natureza" é algo que, hoje, é
"contexto", mas que já foi objeto de controvérsia. Enfim, é uma caixa preta fechada. Mas o
fechamento dessa caixa é garantido por apelo a autoridades. Sempre que um autor tratar do
contexto, terá duas atitudes. Ou o incorpora inteiramente (quando se sente seguro de que
não haverá o que arguir) ou o refere a autoridades (quando sente que o contexto, em vista
do objeto em foco na discussão, poderia ser questionado e reaberto). Não existe um fundo
para esse poço. Ou o fundo é trivial: nossas sensações indiscutidas, o senso comum atual.
Que, no fundo, também já foram objeto de controvérsia. Só que, como essas controvérsias
não têm data de abertura nem de fechamento, perdemos de vista inteiramente o caráter
precário do senso comum.
É também nessa altura que Latour define "texto científico" (p. 82): "A transformação da
prosa linear numa, digamos, formação entrelaçada de linhas de defesa é o sinal mais seguro
de que o texto se tornou científico".
Depois de mostrar como os textos supostamente trazem o mundo para dentro deles, Latour
discute três estratégias de estratificação de textos, que tornam os artigos científicos mais
que descrições localizadas e lhes dão ar de falar de muito mais do que falam na realidade.
Enfim, Latour vai buscar na retórica os mecanismos da indução.
Tática 1: Empilhamento
Suponha um texto que discuta mecanismos renais em mamíferos. De fato, o pesquisador
estudou:
3 pedaços de carne que foram considerados...
3 rins de hamster que foram extrapolados para...
rins de hamster que, dado que hamsters são roedores, viraram...
rins de roedores e como roedores são mamíferos, temos...
rins de mamíferos que é o título do artigo em questão.
Agora, tudo vai depender do crédito do pesquisador. Da mesma forma que falamos em
modalidades positiva e negativa, falamos em indução. Se o pesquisador perde crédito, suas
asserções vão sendo inseridas em modalidades negativas, que as levam para montante, para
as condições iniciais de enunciação. Enfim, pensando em termos de indução, levam-no de
mamíferos para hamsters e, daí, para três fatias de carne.
Como lembra o autor (p. 86), "um texto é como um banco: empresta mais dinheiro do que
tem em seus cofres".
Isso vale para praticamente qualquer texto, mesmo os filosóficos mais puros. Conforme o
crédito que dermos a Descartes, as meditações dizem respeito à razão ou a um homem
sozinho que pensa um tanto estranhamente. A sequência seria homem sozinho >> todo
homem >> a razão. Num limite, estaremos falando em filosofia. No outro, em biografia.
Esse empilhamento segue três regrinhas: (1) nunca pôr camadas exatamente uma sobre a
outra, senão não há ganho, e você quer formar um arco, não uma torre; (2) nunca pular
camadas, a menos que você esteja absolutamente seguro de que não há ninguém na plateia
para questioná-lo; (3) sempre usar o material exato: provar um ponto usando exatamente o
que é necessário e suficiente. Se você usar mais que o suficiente, a prolixidade poderá ser
interpretada como insegurança. Se você usar menos, seu discurso será interpretado como
11
carente de argumento.
Tática 2: Cenografia e enquadramento
Neste ponto, Latour entra com o que define como "personagens semióticos". A melhor
forma de ganhar o leitor é colocá-lo no texto. Da mesma forma que, num filme ou livro
eficiente, espera-se que o leitor se identifique com um dado personagem. Isso facilita o
fluxo do texto e, apesar de manter autonomia para o leitor, tolhe-o de perguntar muito.
Afinal, já existe no texto alguém que levanta as objeções. E elas são tão boas e o autor as
responde tão bem! Se tudo der certo, o leitor aceitará inteiramente a argumentação,
justamente porque seu personagem semiótico a aceitou. É isso o que o autor espera.
Os autores também se colocam no texto dessa forma. Fora dele, são um grupo de homens e
mulheres (seis, no caso de um artigo que Latour estuda). Mas, no texto, são entidades
vagas, definidas na primeira pessoa do plural. Isso garante anonimato, o que sugere que a
Natureza se oferece a qualquer um. Não é que "João viu X", é que "vê-se X". Não é que
"Pedro e Paulo notaram que x", mas "notamos que x". E assim por diante. Existem autores
dentro do texto que apresentam o mundo no texto a um leitor no texto. Se o leitor se
identifica com toda essa cenografia (staging foi traduzido aqui por "encenação", que não é
a melhor solução, pois a palavra tem uma ressonância de ‘enganação’ e esse absolutamente
não é o caso; ninguém está conscientemente enganando ninguém), então o argumento está
certo. O artigo científico é justamente a peça literária em que ocorre esse tipo de embate.
Tática 3: Captação
Das três táticas apresentadas, é a mais fugidia. Digamos apenas que se trata de exercer
algum controle sobre o fluxo de texto. O leitor deve se sentir livre para discordar (para não
se sentir acuado por um pseudoargumento), mas não livre o suficiente para fugir do texto.
Para que isso aconteça, é preciso que o autor cerque todas as saídas. Assim, o leitor terá
alguma liberdade, mas dentro de um espaço muito bem delimitado. Isso reforça a convicção
que a leitura pode suscitar. Se o controle se der muito perto do leitor (se a pista por onde ele
corre for muito estreita) e pode sair convencido, mas com a sensação de que foi forçado à
conclusão. Se a pista for larga, sairá convencido e com a sensação de que, apesar das
muitas alternativas, aquela a que chegou é mesmo a melhor.
Nesse ponto (p. 98), Latour defende um holismo forte:
"Quando esse resultado [o leitor deslizar do início ao fim do texto sem dúvidas] é atingido
—o que é raríssimo— diz-se que o texto é lógico. Assim como os adjetivos científico e
técnico, parece que o adjetivo lógico muitas vezes indica um tipo de literatura diferente da
ilógica, escrita por pessoas de mentalidade diferente, que seguem métodos diferentes ou
padrões mais rigorosos. Mas não há nenhuma distinção absoluta entre textos lógicos e
ilógicos; há toda uma gama de matizes que depende tanto do leitor como do autor".
Neste ponto, citei para os alunos Quine e sua "máxima da mutilação mínima". Vejo um
dragão na janela. Concluo que minha vista está ruim, ou que existem dragões, ou que é uma
piada de alguém que está armando contra mim, ou que existem outras dimensões que
interferem com esta e por alguma passagem vêm dragões? Da resposta dependerá o quanto
vou mexer na rede epistêmica. Posso apenas pôr em dúvida uma afirmação periférica ou
posso ir indo mais para o centro: posso passar a duvidar da biologia, da física e, no limite,
da lógica. Tudo depende de o quanto estou disposto a sacrificar. É essa máxima quineana
que garante a posição privilegiada da lógica. Ela é inquestionável (ou quase) porque
questioná-la teria um custo muito elevado para toda a rede.
Nessa altura, Latour chega à sua
SEGUNDA REGRA METODOLÓGICA (p. 99):
"Não devemos procurar as qualidades intrínsecas de qualquer afirmação, mas sim todas as
transformações por que ela passa mais tarde em mãos alheias".
Na conclusão do capítulo, o autor fala das três alternativas possíveis diante de um texto
científico: desistência, adesão ou averiguação.
Na primeira, o texto será abandonado.
Na segunda, paradoxalmente, também, pois o conhecimento que aporta será incorporado
em instrumentos, no contexto.
Na terceira, será necessário enfrentar o autor em outro campo: na brenha de referências ou
no laboratório. É isso o que enseja a continuação deste livro.
13
Antes de finalizar, Latour comenta a respeito da retórica científica que ela difere da antiga
(ou, daquela que com menos dificuldade chamamos "retórica", já que o termo normalmente
não é usado no contexto científico, salvo pejorativamente) por usar ainda mais aliados
externos, por mobilizar em um só ponto muito mais recursos que outras retóricas o fazem
(p. 102).
Dado o gosto do autor por causar choques, afirma, no fim deste capítulo, que a literatura
científica é diferente do comum não por ser mais intelectual e, portanto, menos social. Mas
por ser paroxisticamente social. Nenhuma outra é tão enredada, nenhuma mobiliza tantos
atores (semióticos ou aparentemente não, como "a Natureza"). "A distinção entre a
literatura técnica e o restante não é obra de fronteiras naturais; trata-se de fronteiras criadas
pela desproporcional quantidade de elos, recursos e aliados disponíveis. É tão difícil ler e
analisar essa literatura não porque ela escape a todos os elos sociais normais, mas porque
ela é mais social do que os vínculos sociais considerados normais". (p. 104)
Capítulo 2: Laboratórios
Parte A: Dos textos às coisas: mostrando as cartas
Se o discordante continuar duvidando do cientista, o jeito é ir ao laboratório deste e checar
os resultados. Latour monta o caso fictício de um discordante que vai ao laboratório em que
são feitas experiências que visam à purificação de uma endorfina.
Para testar a presença dessa droga produzida pelo cérebro, os cientistas, primeiro, fazem
extratos de encéfalo de camundongos. Depois, separam esses extratos em colunas de
sephadex. Cada fração é guardada em um frasco e testada em um aparelho.
O tal aparelho consiste em uma cuba com uma tira de íleo de cobaia presa a dois eletrodos.
Como esse músculo tem um padrão de contração muito regular, é fácil medir o efeito de
qualquer coisa sobre ele, bastando observar como a agulha do fisiógrafo mostra as
variações a partir da oscilação normal.
A questão agora é: o discordante não passou do texto à natureza (quando foi apresentado,
ainda no texto, ao gráfico) e, com a visita ao laboratório, da representação direta da
natureza (o gráfico) à natureza mesmo. Ele só passou de uma malha de citações e figuras a
uma outra malha de equipamentos que produzem inscrições que precisam ser interpretadas.
"O gráfico, que era o elemento mais concreto e visual do texto, agora é o elemento mais
abstrato e textual num atordoante arsenal de equipamentos" (p. 110).
O caso em questão traz para consideração muitos tópicos:
experimento é sempre um complexo
cada elo desse complexo é uma caixa preta
bom funcionamento do complexo é em parte aferido pelo próprio resultado
tudo o que é produzido é uma inscrição
essa inscrição precisa falar por um porta-voz
esse porta-voz é o cientista
O exemplo enseja a Latour definir os pontos essenciais do capítulo: instrumentos e porta-
vozes.
Instrumento é um complexo cujas partes não mais estão em discussão e que produz
inscrições. Assim, no exemplo, o fisiógrafo não está em discussão (diríamos que, da mesma
forma como acontece com os papers científicos estabilizados, passou para o contexto), mas
o equipamento todo (que o inclui) está.
Porta-voz é quem fala por quem não pode falar.
Diante da natureza, supostamente presente no laboratório, restam ao discordante duas
alternativas:
desmontar o instrumento
enfraquecer a relação entre o porta-voz e a inscrição
Latour exemplifica o comportamento e a dinâmica do porta-voz com o exemplo de um
representante sindical que vai à direção de uma fábrica com um pedido de aumento. O dono
tentará averiguar qual o grau em que esse porta-voz realmente fala pelos operários, fazendo
várias provas de força. O mesmo é feito entre o discordante e o cientista, o que leva Latour
15
a falar que não existe, na prática, muita diferença entre pessoas e coisas: sempre são
necessários representantes para os que não podem falar, sejam eles objetos, animais, tiras
de íleo ou seres humanos.
Assim, o porta-voz não diferencia pessoas de coisas e isso é o que leva Latour, mais para
frente, em falar da necessidade de fazer alianças com tudo, tudo mesmo, para garantir o
sucesso de uma empreitada científica. É preciso, por translação de interesses, trazer pessoas
para seu lado. Mas é preciso também trazer instrumentos, fazer com que eles pareçam ser
representados por você, mesmo que não sejam.
Nesta altura, aproveitei para mostrar a experiência de Raymond Davis com neutrinos
solares, à qual Latour apenas alude na página 114. Ela é interessante porque mostra um
caso em que o sucesso do instrumento está atrelado diretamente ao resultado, numa
circularidade difícil de escapar. Além disso, mostra que os cientistas adaptam teorias a
instrumentos, a fim de obter resultados ditos, depois, corretos. A experiência é explorada no
capítulo 7 de ‘The Golem’ traduzido no Brasil pela editora Unesp como “Golem, o que
você deveria saber sobre ciência, 2003). Outra coisa importante da experiência é como os
cientistas mudam de expectativa conforme a fase da pesquisa. Collins e Pinch mostram um
gráfico no qual, conforme os cientistas iam arranjando financiamento, a expectativa d
encontrar neutrinos ia diminuindo. Só que, se eles dessem tais expectativas menores no
início, não teriam financiamento para começar a trabalhar. Má fé? Não. É apenas um
padrão que, aliás, mais uma vez coloca a atividade científica no mesmo patamar de
qualquer outra atividade humana.
"Dependendo das provas de força, os porta-vozes se convertem em indivíduos subjetivos ou
em representantes objetivos" (p. 129). Essa passagem enseja mais um exemplo de como
modalidades apostas ao discurso dos porta-vozes determinam o conteúdo dos experimentos.
Objetividade e subjetividade (dois estados que diferenciaríamos essencialmente) são apenas
resultado de uma disputa resolvida em termos puramente extensionais.
Neste capítulo, aparecem tópicos tradicionais de filosofia da ciência como, por exemplo,
"experimento crucial". Mas Latour evita o nome e prefere uma abordagem mais histórica.
O motivo é o método latouriano, exposto em suas regras metodológicas. Ele é
absolutamente extensional. Não vem ao caso se os cientistas usam ou não um método, não
vem ao caso se um instrumento é um complexo ou algo mais simples. Se os resultados são
aceitos, então isso resolve a questão. Não existe nada nos resultados ou no método de
obtenção que force a aceitação.
Outra coisa importante: isso funciona, ou seja, a ciência natural acerta (pelo menos no
sentido de aumentar a longo prazo sua capacidade preditiva), o que exige que se procure
uma definição de "razão" que não faça menção a lógica, regras etc.
Isso também é bem interessante e difícil: essa questão do "longo prazo". A longo prazo, a
capacidade preditiva aumenta. Mas isso se dá por acréscimo de lances de curto prazo nos
quais essa capacidade, muitas vezes, diminui. Bom tópico de pesquisa.
Parte B: Construindo contralaboratórios
No início desta parte, Latour resume seu percurso até aqui:
1. o que está por trás das alegações? Textos.
2. por trás dos textos? Mais textos.
3. por trás dos artigos que suportam os textos? Mais artigos e gráficos.
4. por trás das inscrições produzidas mostradas nos gráficos? Instrumentos e seus porta-
vozes.
5. por trás dos porta-vozes? Provas de força que avaliam a resistência do elo entre
representados e representante.
Nessa altura, quase todos os discordantes já desistiram. Mas, se o exemplo fictício quiser ir
adiante, o próximo passo para o discordante seria a montagem de um contralaboratório.
Porém, este deve fazer mais que seu concorrente, pois deve poder não só mostrar que este
está errado, como mostrar uma saída.
O contralaboratório é o último ponto do que poderíamos chamar "dúvida metodológica
latouriana". É totalmente fictícia, pois não reflete nenhum caso histórico e existe apenas
para mostrar o que se posta atrás dos textos apresentados pelos cientistas. Sem ela, ou
17
teríamos parado muito antes com nossas inquirições (como o fazem os cientistas
praticantes) ou estaríamos buscando o fazer científico em alguma característica essencial. A
dúvida serve para nos levar até o contralaboratório e, então, pára. Terminada essa parte,
podemos dizer que Latour fecha a parte crítica de "Ciência em Ação" e começa sua parte
substantiva, em "Translações".
Neste capítulo, Latour tem de fato pouco a dizer. Dá muitos exemplos, sempre de casos
históricos em que houve disputa (Guillemin contra Schally, Freeman contra Mead, Pasteur
contra Pouchet) e mostra que a tática do cientista discordante segue um padrão:
crítica ao competidor
desmontagem do argumento do competidor
montagem do contralaboratório
novos resultados que cumprem duas funções (afirmam-se e desacreditam o competidor)
Nessa empreitada, o cientista aliciará instrumentos, técnicos outros cientistas e mesmo a
natureza. Nessa altura, Latour fala em "fato novo", como sendo algo que resiste a provas,
que não tem nome e cujo nome deriva dessas provas. Laboratórios são como ginásios
olímpicos, em que testes são criados e quem os supera é admitido. Só que a via de
conhecimento das coisas é o próprio teste (diferentemente de um atleta, que conheço
independentemente de seu performance). Daí que as coisas, no início de sua existência,
recebem o nome dos testes por que passaram. Depois, essa lista de testes ganha um nome
sintético. Como os testes podem ser replicados, fica mais fácil dar um nome só para a coisa
nova e como nomes pressupõem a existência de coisas, elas passam a existir. Assim, não é
que a natureza obrigue o cientista a fechar controvérsias. A natureza é o último estágio da
controvérsia, é seu resultado.
As duas faces de Jano dirão, então, coisas diferentes. No final da controvérsia, teremos:
Face 1: A natureza é a causa que permitiu a resolução das controvérsias.
Face 2: A natureza será a consequência da resolução.
Dessa digressão, Latour tira sua terceira regra metodológica: uma vez que a resolução de
uma controvérsia é a causa da representação da natureza, nunca poderemos usar o resultado
—a natureza— para explicar como e por que uma controvérsia foi resolvida (p. 164).
No último parágrafo, Latour comenta sobre a clivagem entre relativismo e realismo. Como
ele é absolutamente extensional e segue, por regra, os cientistas, age como eles: é realista
no que diz respeito às partes assentadas e relativista com respeito às controversas. Ser
relativista com respeito a tudo seria bobo e ser realista com respeito ao controverso,
impossível. E por que ele não poderia ser relativista, mantendo a dúvida acerca das bases da
ciência e da tecnologia? Porque o custo é alto demais para o discordante. Se é alto demais
para os cientistas, que dirá para os sociólogos e antropólogos. Logo, se eles pararam de
discordar, nós também.
É nessas pequenas coisas que está a precisão de Latour. Ele é rigorosamente extensional,
não se apoia em quase nada, evita qualquer recurso a qualidades essenciais das coisas, à
natureza, ao método. Quando diz que a discussão cessa, não diz que isso acontece porque
algum princípio está sendo seguido, porque algo especial aconteceu. Cessa porque os custos
são elevados e porque os atores já pararam e, assim, não cabe continuar o espetáculo. Isso o
deixa à vontade com o relativismo: ele o será só se seus informantes o forem. E nem assim:
ele só anotará seus passos.
PARTE 2: DOS PONTOS FRACOS AOS FORTES
Capítulo 3: Máquinas
As incertezas do construtor de fatos
Parte A: Translação de interesses
Não está ainda muito claro a esta altura por que o capítulo se chama "Máquinas".
Como dito antes, começa aqui a parte substantiva de Latour. Embora ele "siga cientistas e
engenheiros sociedade afora", o fato é que, até aqui, seguiu apenas cientistas e engenheiros
fictícios, idealizados, seres cuja existência foi conjurada apenas para fins didáticos.
19
Ninguém duvida de toda a bibliografia de um artigo ou perscruta todos os pontos da rede de
citações ou constrói um contralaboratório. As pessoas agem criando alianças. É a análise
dessas alianças e de seus resultados que começa agora.
A questão para Latour aqui é explicar como os cientistas (e tecnólogos) agem de fato.
Até agora, examinamos a caminhada implicada pela dúvida metodológica. Se o sujeito
discorda de um artigo,
ou o questiona rapidamente e concorda
ou continua discordando e parte para o exame de toda a sua bibliografia
ou continua e monta um contralaboratório
O problema é que ciência e técnica NUNCA são assim. Os recursos são escassos e os
cientistas devem usar os meios à disposição. Portanto, precisam aliciar outros cientistas,
outros grupos e outros instrumentos, que já estão na comunidade, fazendo-os funcionar para
seu fim.
Só que esse aliciamento leva o cientista a duas demandas que se chocam:
1. deve alistar outras pessoas para que elas participem da construção do fato;
2. deve controlar o comportamento delas, de forma a tornar previsíveis suas ações.
Para cumprir esse duplo programa, os cientistas lançam mão de táticas de aliciamento, que
Latour chama coletivamente de translação de interesses.
Definição: "Chamarei de translação a interpretação dada pelos construtores de fatos aos
seus interesses e aos das pessoas que eles alistam".
É importante frisar que tais translações não precisam ser conscientes, pois os atores não
agem cinicamente (pelo menos não na maior parte das vezes).
TRANSLAÇÕES
1. eu quero o que você quer
2. eu quero, por que você também não quer?
3. se você se desviasse um pouquinho...
4. remanejando interesses e objetivos
a. deslocar objetivos
b. inventar novos objetivos
c. inventar novos grupos
d. tornar invisível o desvio
e. vencer as provas de atribuição
5. tornar-se indispensável
(1) é o que ele chama "estratégia da carona" (pega-se carona em quem tem mais poder e
deixamos que ele transforme nossas afirmações, na esperança de dar-lhes mais
visibilidade). O problema é que nossas afirmações podem virar algo completamente
diferente do pensado no início. Logo, é uma tática insegura para quem tem pouco poder.
(2) é o contrário de (1): as pessoas pegam carona conosco. Mas elas só fazem isso se
perceberem que seu caminho está completamente bloqueado.
(3) para essa tática funcionar, é preciso que:
o caminho principal esteja claramente bloqueado;
o novo desvio esteja bem sinalizado
o desvio pareça pequeno
O problema dessa estratégia é que se um grupo puder avaliar bem a extensão do desvio,
então por que seguiria você? Eles fariam tudo sozinhos. Além disso, como tudo estava na
mesa, fica difícil, no final, dizer quem foi o responsável pelo desvio: você ou eles mesmos?
Portanto, uma tática mais poderosa deve ser posta em prática.
(4) supera as desvantagens de (3):
a. a extensão do desvio deve ser de avaliação impossível.
b. deve ser possível alistar outros mesmo que o caminho destes não esteja bloqueado
(afinal, se você só puder alistar quem chegou a um impasse, o número de aliciáveis se torna
21
muito pequeno)
c. deve-se tomar cuidado para evitar definir claramente quem é alistado e quem alista
(motivação, independência das equipes, possibilidade de méritos individuais)
d. no fim de contas, os construtores devem aparecer como a única força propulsora.
No fim de contas, não se trata bem de cinco translações. Pode-se dizer que uma translação
bem-sucedida é uma mistura de todas. Você toma carona (translação 1), mas, em dado
momento, ou em dado setor da pesquisa, mostra-se indispensável (translação 5).
Assim, é lícito dizer que tudo o que queremos é (5), que nos garante proeminência,
liberdade e prioridade e usamos as táticas de (4) para consegui-la. (1), (2) e (3) são só
distinções analíticas.
Parte B: Mantendo na linha os grupos interessados
Essa parte é fortemente calcada em exemplos históricos, especialmente o caso Diesel x
MAN. A questão colocada pelo autor é: como manter as pessoas fazendo o que você quer?
Criando alianças e fazendo compromissos. O motor de Diesel deveria funcionar com
qualquer combustível. Não dá? Então funciona com um combustível em particular. Enfim,
o projeto vai sendo reformado, de forma a atender a todos. Nisso, novas alianças são feitas.
Latour não diferencia aliciar pessoas e aliciar coisas. O que é razoável, dentro do modelo.
Se a realidade é forjada no laboratório, se as "coisas" são listas de provas, então as coisas
são aquilo para o que criamos provas. A coisa x faz isso? Talvez faça, mas como nunca
pensamos no assunto, que diferença faz? Assim, aliciar coisas é defini-las e a definição é
sempre parcial, pois depende das provas a que as submetemos.
Outra coisa importante, seguindo a premissa de que alegações só tomam sentido nas mãos
de terceiros, é que as caixas pretas também só tomam sentido nas mãos de terceiros, já que
são feixes de alegações cristalizados em objetos. Se a caixa puder ser aberta, se puder ser
modificada, então nossas alegações (e nossa prioridade, nossos prêmios, nossas patentes)
correm perigo. Portanto, é fundamental desenvolver o que Latour chama "máquinas":
caixas pretas que, sem serem tocadas, incorporam-se ao ambiente. Mas, para que isso
aconteça, é preciso desenvolver, ao lado das caixas, redes. Eastman, para tornar a Kodak
uma caixa preta, precisou desenvolver redes de lojas de suporte. A MAN, para tornar o
motor Diesel algo confiável e usável por qualquer um, precisou desenvolver redes de
suporte. Por isso, quanto mais preta a caixa, maior a rede que a sustenta. O que leva à ideia
de que todos os usuários estão implicados na manutenção da caixa (da alegação, da teoria
etc.). Esse é o modelo que Latour chama de "modelo de translação".
Segundo o autor, o que é mantido para a sociedade é o "modelo de difusão". Umas poucas
pessoas descobrem, umas poucas desenvolvem, todos usam passivamente. Quando uma
ideia não se difunde, culpa-se a sociedade. Quando se difunde, glorifica-se o descobridor.
Só que o estudo meticuloso da história mostra que a caixa preta raramente é o que o
descobridor tinha em mente no início, sendo na verdade resultado de n processos de
translação. Então, o modelo de difusão exige que se atribua ao descobridor praticamente
toda a obra. Como isso não é possível, afirma-se que tudo estava dado "em germe". Além
disso, o modelo é assimétrico, pois a tal sociedade só é chamada ao cenário para explicar
falhas no progresso de uma caixa preta (ou de candidato a caixa preta).
Latour defende a ideia de que a sociedade tal como dada no modelo de difusão, um meio
permeável à inovação, não existe. É resultado do modelo. O que existe é uma sociedade que
se transforma e usa (ou não) certas máquinas. Usamos automóveis não porque eles são uma
grande ideia e que, portanto, foi aceita. Usamo-los porque os fizemos, todos (claro que em
graus diferentes). A sociedade que usa carros é resultado de um processo de translações. O
objeto técnico fica estável exatamente quando seu público fica estável. Os objetos podem
ser estudados via desenvolvimentos técnicos (tecnograma) e as pessoas via um diagrama de
associações (sociograma). Eles são simétricos e chegam à estabilidade ao mesmo tempo. A
sociedade que "aceita" o objeto técnico é outra, diferente daquela que o desconhecia. É por
isso que ele se difunde, porque não foi "aceito", mas porque foi moldado junto com a
sociedade.
Pergunta: será que o que chamamos "massa" (as massas silenciosas de Baudrillard) pode
ser incluído nesse raciocínio? Creio que não. Talvez possamos dizer que a sociedade
latouriana é apenas a que ainda está implicada no processo produtivo.
Essas considerações levam o autor à sua Quarta Regra Metodológica, que é apenas a
terceira com "sociedade" no lugar de "natureza". A sociedade e resultado do fim de uma
controvérsia e, assim, não pode ser usada para explicar por que uma determinada
23
controvérsia chegou ao fim e a natureza (e a sociedade) se estabilizou.
Capítulo 4: Quando os de dentro saem (Insiders out)
Parte A: Despertar o interesse dos outros pelos laboratórios
Primeiro, assinalo o que acredito ser uma brincadeira embutida no título do capítulo. Este
começa com duas descrições de casos em que a atividade não existe, seja porque não
começou, seja porque está em decadência. Depois, evolui para o estudo de um caso de
atividade a pleno vapor. Assim, "insiders out" poderia ser interpretado como "sem insiders",
quando a atividade ainda não existe, e como "quando os de dentro saem", quando a
atividade está a toda e só está assim porque aqueles que consideraríamos "de dentro" saem,
gastam boa parte de suas energias na criação de alianças. A tradução para o português não
salva esse aspecto do título.
O capítulo apresenta três casos, dois fictícios, mas emblemáticos, isto é, costuras de vários
casos reais, e um caso real mesmo. A ideia é mostrar que, coerente com o que vem sendo
dito até aqui, o número de implicados no processo de desenvolvimento tecnocientífico é
muito maior que aquele que o modelo de difusão nos leva a acreditar.
Nesse modelo, uns poucos têm todas as grandes ideias, que são posteriormente difundidas
na sociedade. Se esta as aceita, é porque eram boas na origem. Se não, é porque a sociedade
é conservadora. A tese de Latour é que, com as translações, as ideias iniciais são o que são,
apenas pontos de partida, e o resultado é tanto um objeto (ou uma teoria) e a sociedade que
o aceita.
Mas essa dinâmica só é bem-sucedida se os cientistas dedicarem parte do tempo à atividade
de bancada e parte do tempo às atividades de translação, implicando mais pessoas e coisas
na produção de bens ou de fatos.
O "difusionistas" (Latour não usa esse termo, mas tudo bem usá-lo aqui) explicam essa
dinâmica na linha do "existem cientistas de verdade e administradores do processo, que
sujam as mãos com os financiadores; não existe ciência sem esse financiamento, mas as
instâncias não se confundem".
Latour examina no capítulo a história da fundação da geologia, com Charles Lyell (1797-
1875), a história de um cientista/tecnólogo brasileiro, João da Silva e o caso do "chefe", um
cientista bem-sucedido.
No caso de Lyell, a geologia não existe como disciplina. Assim, ele tem de gastar muita
energia fora de seu laboratório (que nem existe), em tarefas tais como:
atrair financiadores
atrair acadêmicos
atrair leigos, que colecionam espécimes
e, ao mesmo tempo
enxotar financiadores, para que não interfiram demais no trabalho
enxotar acadêmicos, para que a nascente especialidade possa se diferenciar do que já
existe
enxotar leigos, para que não façam nada além de coletar material para estudos mais
profissionais
Complicado. Assim, quando a disciplina não existe, está-se quase todo tempo FORA do
laboratório.
O caso de João da Cruz, de São Paulo, é diferente. Ele foi para o exterior, estudou,
interessou, quando de sua volta, governo e militares na construção de um computador
brasileiro, conseguiu financiamento para comprar material etc. Mas, depois, a política
mudou e João foi sendo abandonado. Quanto ao mercado, todos preferem, com o
relaxamento de políticas de restrição, comprar fora do país chips mais eficientes e baratos.
Assim, ninguém de fora passa por seu laboratório e ele não tem de ir a lugar algum para
negociar, pois sabe que nada conseguirá.
Quanto à vida universitária, sua falta de perspectiva de acordos com forças produtivas leva
a uma defasagem do laboratório. Ele continua a fazer pesquisa ("acadêmica", no pior
sentido da palavra), mas já não consegue publicar nas revistas de ponta.
25
Em breve, passa a dar aulas em escolas sem expressão científica, passa a escrever para
jornais e revistas, em seções dedicadas à divulgação de ciência e tem de optar entre
desaparecer do mundo tecnocientífico ou migrar para um centro maior, para integrar grupos
de outros.
Ou seja, na decadência, o cientista está o tempo todo DENTRO do laboratório.
O caso do "chefe" é exposto na forma de um diário: o antropólogo da ciência e da
tecnologia segue um chefe de laboratório e o encontra em todas as situações: com
representantes de governos, com industriais, com técnicos, com grupos de pressão, com
jornalistas, com editores, com conselheiros de agências e, muito eventualmente, com os
cientistas da bancada.
Quem faz ciência? O cientista preso à bancada ou o chefe? Essa é uma questão importante
quando se resolve que o negócio é "seguir cientistas e engenheiros sociedade afora". Se
seguirmos os cientistas de bancada, teremos uma visão de ciência muito diferente da que
obteríamos se seguíssemos os chefes. Temos de seguir ambos.
Mas então poderiam vir críticos e dizer que o da bancada faz ciência e o chefe apenas
garante condições materiais para tanto, além de fornecer alguma distante orientação formal.
Mas isso não é verdade do ponto de vista do modelo de translação, em que o número de
implicados na construção de fatos se amplia. Como o cientista de bancada faz ciência? Com
a ajuda de candidatos a PhD, com a publicação de resultados, com a interlocução densa
com seus pares. Não tem sentido dizer que, num ponto, produz-se ciência e que outra
atividade é a interlocução, a publicação, o trabalho braçal dividido em equipes extensas,
com chefes, subchefes e aspirantes. Tudo junto é ciência. Sem publicação, por exemplo, um
trabalho é nada, é apenas reflexão pessoal. Assim, o cientista da bancada faz ciência porque
o chefe está no conselho de revistas, garantindo a publicação de resultados, está nas
agências, criando espaço para sua especialidade, está nas indústrias, garantindo que os
instrumentos cheguem mais adaptados ao laboratório etc. etc. etc.
É claro que esse aumento no número de implicados no processo pode levar à paralisia da
análise. Se todos estão implicados, então todos têm de ser seguidos. Como escapar disso?
Como fazer para seguir o chefe, mas não o jornalista a quem o chefe dá uma entrevista, e
que terá sem dúvida um papel (pequeno ou grande, pouco importa) no processo de
manutenção do laboratório? A saída de Latour é (página 262):
"Tenho sugerido implicitamente aquilo que seria o esqueleto de uma anatomia diferente da
tecnociência, e agora direi como é ele: nele, a divisão interior/exterior é resultado
provisório de uma relação inversa entre recrutamento 'externo' de interesses —o
sociograma— e o recrutamento 'interno' de novos aliados —o tecnograma. A cada passo do
caminho, altera-se a constituição daquilo que é 'interno' e daquilo que é 'externo'."
Enfim, existe, finalmente, para Latour, o "dentro" e o "fora". Sem isso, já dava para ver, não
daria para trabalhar. Afinal, se ele pretende seguir as pessoas e ver como elas agem, tem de
levar em conta o que elas veem. E elas veem "dentro" e "fora". De nada adiantaria dizer
algo na linha "nós, os antropólogos da ciência, vemos o certo, e essa divisão é fictícia".
Não, pois não pode ser descartado como ficção aquilo que você efetivamente encontra na
sociedade. O que é encontrado tem de ser explicado. (Afinal, se pudéssemos descartar
aquilo que, segundo nossa teoria, é ficção, por que então teríamos nos dado o trabalho de
seguir as pessoas?) Enfim, usamos um critério frouxo, baseado no bom senso. O chefe sabe
o que o cientista da bancada faz e compartilha com ele alguns objetivos. Então, é cientista e
deve ser seguido. Ele se encontra com o industrial, que dá recursos a troco de algumas
alterações de projeto. Aceitas as alterações, vemos quem as implemente. É o chefe e sua
equipe. Então, continuamos a segui-los. E o industrial? Não será seguido, pois não é
incorporado ao processo, nesse momento. Mas o projeto deve, nalguma altura, ser
apresentado ao industrial. Então, devemos segui-lo. O industrial o aprova? Só depois de
testá-lo junto a potenciais consumidores. Então, seguimos o industrial e esses
consumidores-pilotos. Estes aprovam a coisa e orientam o industrial? Se sim, deixamos de
segui-los, pois já cumpriram sua parte. Apenas registramos que, em alguma altura, entraram
no sociograma. Mas cada um desses consumidores só foi convocado porque tinha tais e tais
características e relações. Algumas dizem respeito ao projeto (formação, conhecimento etc.)
e outras, não (laços familiares, gostos em outras áreas etc.). Então, não precisamos seguir,
digamos, a namorada do consumidor-piloto que fez parte do grupo que orientou o industrial
que exigiu do chefe, que ordenou ao da bancada. O problema é como podemos saber de
27
antemão quem devemos seguir e quem não. Só com base em um conhecimento de o que é e
de o que não é importante para um projeto. Mas se sabemos isso de antemão, sabemos mais
do que aquilo que nossa pesquisa simples (de apenas seguir) sugere. E o que é esse "isso a
mais"? Temos, então, de nos basear em alguém. O da bancada ou o chefe têm uma ideia de
quem deve ser aliciado. Seguimos as pessoas dessa lista. Se o chefe as descarta, fazemos o
mesmo. Mas, como temos de ter um ponto de partida, precisamos eleger alguém. E se
elegêssemos a namorada do consumidor-piloto número 23? A tese (forte) de Latour é que
chegaríamos ao mesmo resultado. Acabaríamos achando a rede e revelando alguns pontos
de passagem obrigatórios, que se concentram fisicamente no chefe. Essa tese me parece
empírica e deveria ser testada. Enfim, a tese é: podemos começar de qualquer ponto e usar
como orientação um problema. Por exemplo: eficiência dos motores Diesel. Podemos
começar por Diesel ou pelas faxineiras de uma oficina mecânica no Brasil. Chegaremos aos
mesmos pontos, que são os pontos de passagem das translações. Mas é bom frisar que esses
pontos e essas translações são provisórios. Se perdermos isso de vista, teremos de dizer, de
saída, que existe Natureza estável e problemas comuns que essa Natureza propõe a todos.
Se fizermos a jornada em um momento, acharemos um ponto nodal. Se fizermos noutro
momento, acharemos (poderemos achar) outro.
Latour, em seguida, esboça um ciclo que mostra o caminho do cientista de dentro para fora.
Esse ciclo tem cinco etapas:
dinheiro
força de trabalho
instrumentos
objetos
argumentos
inovação
O cientista passa por ele várias vezes, cada vez em nível mais elevado:
dinheiro força de
trabalho
instrumentos objetos argumentos inovação
etapa 1 recebe
fundos
faz
pessoalmente
usa protótipos poucos
aliados
poucos restrita ao
laboratório
etapa 2 encabeça
comitês
tem auxiliares
candidatos a
PhD
usa
instrumentos
aliados
inespera
dos
escreve
artigos
uso difundido
etapa 3 é parte do
governo
cria políticas
educacionais
pauta indústrias muitos
novos
objetos
cria revistas controla a difusão
Latour conclui que seria impossível traçar um limite do quadro, no qual estariam do lado de
fora o contexto e do lado de dentro o conteúdo técnico. Essas fronteiras são móveis e se
retroalimentam.
Isso leva ao que John Ziman definia como o "efeito Mateus": mais é dado a quem mais tem.
Parte B: Contando aliados e recursos
Esta parte do livro é a mais difícil. Latour já mostrou de forma convincente que só uma
visão distorcida das atividades tecnocientíficas leva ao modelo de difusão, no qual poucos
fazem para muitos. Isso ficou, senão provado, bem documentado, que quando muitos
"aceitam" a dádiva dos poucos é porque os muitos participaram e não estão tão assim "de
fora" como o modelo de difusão quer que pareçam estar. Até aí, tudo bem.
Mas aí vem Latour com uma série de números. Se fossem apenas ilustração, sem
problemas. Mas não, o autor os usa para provar que é impossível atribuir a poucos
cientistas os equipamentos e teorias que são compartilhados por muitos. E por que isso?
Porque os poucos são "muito poucos". Parece que falta algo ao argumento. Pois, se são
muito poucos os cientistas para que se lhes impute o poder de criar teorias que todos
aceitam, quanto seria o número aceitável? Latour não sabe. Frases como "Dois milhões e
meio de cientistas e engenheiros não conseguem fazer 700 milhões de pessoas acreditarem
29
em todos os fatos da tecnociência e aceitá-los" (p. 270) ou "O número de grandes nomes da
ciência agraciados pelo prestígio, simplesmente é pequeno demais para explicar os
gigantescos efeitos que lhes são imputados" (p. 272) parecem pouco convincentes. No
capítulo seguinte, Latour mostrará que o grosso da humanidade está fora da rede de
cientistas e engenheiros e que são por eles acusados de irracionais. Ora, se o grosso da
humanidade é irracional (mais uma consequência do modelo de difusão), então não é
verdade que poucos tenham poder sobre muitos. Eles têm poder sobre os poucos que
contam, o que é outra coisa. Os muitos são deixados de fora e, na maior parte das atividades
que constituem suas vidas, deixam os engenheiros e cientistas de fora também. Aí parece
que existe mais uma contradição.
Uma observação:
À página 313, o autor fala da controvérsia entre Descartes e Newton, com o primeiro
afirmando que ação a distância é equivalente a bruxaria. Talvez, Latour seja um cartesiano.
Estamos vendo, quando olhamos para o pequeno número de cientistas e de engenheiros que
controla uma grande sociedade, algum tipo de força, de ação a distância, que Latour quer
descartar. Não existem para o autor centros de saber que difundem conhecimento, o que
seria um paralelo social da força da gravidade. Tem de existir outra coisa. Essa outra coisa
virá mais adiante, quando Latour falar em "redes".
Quando Latour abandona os números, volta para suas regras metodológicas e, então para os
eixos.
Uma vez que fica mostrado pelos números que o grosso do orçamento de pesquisa e
desenvolvimento no Primeiro Mundo é destinado a pesquisa militar, ficamos sabendo que
os cientistas que alistam são na verdade empregados alistados pelo aparato militar, ainda
que muito indiretamente.
A atividade de alistamento (mecanismo primário) permanece invisível, mas a atribuição de
responsabilidade (mecanismo secundário, e talvez mais tardio) é mais visível e é esse
mecanismo que gera a "ciência e tecnologia" e, com ela, seus protagonistas, os poucos que
moveram os muitos.
A dupla face de Jano aparece novamente, com duas falas:
FACE ESQUERDA (CIÊNCIA ACABADA): A ciência e tecnologia é causa da execução
de projetos.
FACE DIREITA (CIÊNCIA EM AÇÃO): Executados os projetos, ciência e tecnologia
aparecem como força propulsora por trás deles.
Latour aqui dá sua definição de TECNOCIÊNCIA: são todos os elementos amarrados ao
conteúdo científico, por mais sujos, insólitos ou estranhos que pareçam e CIÊNCIA E
TECNOLOGIA é o que sobra da tecnociência depois que foram resolvidos todos os
julgamentos de responsabilidade. Ou seja, primeiro, tudo é tecnociência. Quando a história
é recontada, deixamos de lado tudo o que nas redes foi alistado e que não conta para
atribuição de prestígio. O que sobra é ciência e tecnologia e é nessa esfera que acontecem
as atribuições.
Latour chama a atenção para o perigo de, não julgando a ciência como algo feito pelos
cientistas, então estaremos julgando-a como algo feito por militares, banqueiros etc.? Ou
seja, abrimos o flanco para os "estudos sociais da ciência". Não, já que desconfiamos
simetricamente de todas as atribuições. Seguimos a
QUINTA REGRA METODOLÓGICA: seremos tão indefinidos quanto os atores que
seguimos quanto a de que é feita a tecnociência.
PARTE 3: DAS PEQUENAS ÀS GRANDES REDES
Capítulo 5: Tribunais da razão
Parte A: Os julgamentos de racionalidade
Só uma observação antes de começar esta parte: às vezes é difícil entender a posição
relativista. A simetria que Latour propõe (não que eu ache que seus argumentos, nesse
ponto, sejam lá muito cogentes) é difícil de pegar. E não só pelos alunos.
Saiu no Jornal de Resenhas da FSP um texto sobre "Ciência em Ação". O interessante do
texto de Renan Freitas é que ele não gosta do Latour com base em que este teria perdido o
ponto essencial da atividade científica. Ao dedicar muito tempo a discutir como os
cientistas selam controvérsias (para Latour, aumentando o valor da aposta, ou seja,
31
tornando a vida do discordante cada vez mais difícil e cara), Latour teria, para Freitas, se
esquecido de dizer o que as pessoas aprendem das controvérsias, que seria o assunto
realmente importante, o motor da evolução da ciência. Só que o resenhista perde de vista
que Latour não pode, por princípio, separar a atividade do cientista e da sociedade da qual
faz parte da controvérsia em questão. Dizer que é importante estudar o que as pessoas
aprendem de um controvérsia é separar cientistas de um lado e controvérsia do outro ou,
mais grave ainda, é separar a comunidade que debate da natureza, que é o assunto em
pauta. Só que isso não pode ser separado e, ainda assim, ser mantida uma equidistância
relativista. A sociedade em que a controvérsia deixa de existir é outra, diferente daquela em
que a controvérsia existia. Não se "aprende com ela", porque não existe "ela", de um lado,
e "quem aprende", do outro. Existe uma sucessão de situações e de comunidades e só
podemos ver isso se estudarmos esses pontos nodais que são as controvérsias. Elas são
raras, diz ainda o resenhista. É verdade. O grosso da ciência é o que Kuhn chamaria de
"normal". Nem por isso devemos ver a ciência normal (que é a ciência fora da controvérsia
mais aguda) como o assunto determinante em estudos sobre o fazer científico. Só para
completar, a resenha é aberta com a afirmação de que Latour está na mesma linha de
Feyerabend, para quem a ciência deve se guiar (sic) pelo princípio do "vale tudo". (Como
um relativista poderia dizer o que deve e o que não deve?) Mas isso não é verdade.
Feyerabend provoca e afirma que, ao estudar a história da ciência, mesmo pegando casos
sem controvérsia quanto à relevância do autor (ele dedica seu "Contra o Método" a
Galileu), constatamos que não parecem existir regras estritas, a-históricas, usadas por todos.
Parece que tudo vale. Mas só parece. Para Feyerabend, como para Latour, a ciência, e isso é
o mais surpreendente, dá certo. É claro que não vale tudo. Mas não sabemos dizer o que
vale. O que nos causa tanta perplexidade é ver que algo vale, algo que desconhecemos.
Existe uma razão prática cujos princípios nos escapam e o estudo da atividade científica nos
deixa, infelizmente, com pouco nas mãos. Saímos do estudo da ciência com duas
convicções: "parece não haver nenhuma regra geral" e "a coisa funciona". Só que a
precariedade dessa constatação é muito sofisticada. Para a média, se regras são postas em
xeque, outras têm de ser postas em seu lugar. Se algo funciona de forma regular, deve haver
regras simples que todos usam. Não pode haver atividade sem regras. E assim por diante.
Freitas, como a maioria dos críticos do relativismo, simplesmente não entende o
argumento. O argumento antirrelativista seria (1) moral: o relativismo não instaura, só
destrói; (2) interno: mesmo nada instaurando, o relativista partilha, no mínimo, de um
interesse comum no tema, o que já indica uma filiação (Feyerabend resolveu discutir física
e não fabricação de conhaque, por quê?). Mas essas duas linhas de ataque, boas ou ruins
que sejam, implicam que o debatedor entenda o assunto em pauta. Mas isso raramente é o
caso. Freitas, como tantos outros críticos de Kuhn ou Feyerabend ou Latour, vê as coisas
estanques: existe o mundo de um lado e seus estudiosos, de outro. O positivista vê a relação
assim e o relativista, assado. Fechadas as posições, os (maus) críticos começam. Só que o
relativista não aceita a tal separação clara inicial.
Latour examina agora a questão de que a maioria das pessoas está fora da rede
tecnocientífica e, portanto, fora desses tipos de mecanismos de convencimento e de
translações complicadas. Mesmo assim, viram-se. Como, "se não há cientistas e
engenheiros por perto?". Dirá um cientista: usando regras práticas, baseando-se em crenças
em lugar de se basear em conhecimento. O interessante, ressalta Latour, é que o grosso da
humanidade faz isso. Não seria portanto um pouco arrogante dizer que todos são irracionais
e os poucos tecnocientistas, racionais?
Mas, aí, entra tradicionalmente a sociologia, aquela sociologia que sempre é chamada para
executar o serviço inferior da filosofia da ciência. Quando tudo corre bem, regras estão
sendo aplicadas, um método claro e distinto está sendo seguido. Quando as coisas correm
menos bem, é preciso chamar o sociólogo ou antropólogo ou politicólogo ou historiador ou
economista para que expliquem o desvio com relação à linha reta da racionalidade.
O quadro tradicional é portanto, dizer que existe uma linha reta da razão e uma linha que se
desvia desta, que precisa, portanto, ser explicada. Tais explicações aludem a, por exemplo:
preconceitos, diferenças culturais, diferenças sexuais, diferenças raciais, burrice, outras
explicações sociológicas ou psicológicas etc. Esses fatores aparecem só quando cientistas
tentam dar conta de por que existem tantos não-cientistas.
Às vezes ouve-se o comentário: "se eles tivessem mais educação, chegariam lá". Mas isso
não viola um princípio de simetria?
33
O interessante é que, dado o modelo de difusão, é evidente que o grosso da humanidade
está embarcada nessa linha torta. Não seria, portanto, para ser simétrico, que a linha reta
merecesse explicação? Não, diria um enfoque mais tradicional. A linha reta se autoexplica.
Mas um relativista simétrico exigirá, da mesma forma, explicações para as linhas reta e
desviante. "Quais as condições sociais para que essa linha reta seja traçada?" Tal pergunta
não teria cabimento dentro de um enfoque tradicional, mas, aqui, a simetria a exige. Além
do mais, dado que se trata de uma linha que é seguida (se é que) por uma minoria, é o
comportamento minoritário que precisa ser explicado, muito mais que o majoritário.
Em seguida, Latour apresenta três "julgamentos de racionalidade", envolvendo as críticas
de Evans Pritchard aos azande, as dificuldades do sistema de cultivo e posse de terras nas
ilhas Trobriand e o caso de Elisha Gray, que não acreditava no telefone e investiu tudo no
telégrafo. Seriam os azande irracionais? Seriam os trobriandeses ilógicos? Foi Gray um
maluco, por não enxergar as potencialidades do telefone? Não, não e não. Pritchard não
percebeu que os mesmos critérios que os azande usam para definir bruxos quentes e frios
são usados nas sociedades ocidentais para definir a aceitabilidade do assassinato (que é e
não é crime, dependendo da ocasião). Os trobriandeses têm uma linguagem difícil que, se
não for compreendida, os faz parecer, à primeira vista, ilógicos. Gray não viu as
potencialidades do telefone mas, assim que as viu, tornou a coisa rentável e construiu um
império, diferentemente de Bell, que mal soube aproveitar sua invenção. Gray preferiu
apostar no telégrafo, que era uma tecnologia segura, e não no telefone, inventado por um
homem cuja profissão era tratar de surdos. Pode parecer ter sido uma má ideia, de a história
não for bem contada, isto é, contando-se as razões dele e o desenvolvimento posterior da
coisa. Levando isso em consideração, desaparece qualquer imputação de irracionalidade.
Ou seja, imputações de irracionalidade são muito mais raras do que se costuma afirmar e só
aparecem quando os fatos não são examinados a uma distância maior e com mais
flexibilidade.
Com isso, Latour chega a uma sócio-lógica. A lógica (ou a afirmação que uma alegação é
"lógica") depende de em quantos pontos ela está bem amarrada.
Mas é preciso ter cuidado, pois
"...Na perspectiva simétrica o que se ignora de todo é exatamente a existência da rede
científica, de seus recursos, de sua capacidade de, às vezes, fazer propender para um dos
lados o equilíbrio de forças" (p. 320)
Ou seja, não é porque um bom advogado livra seu cliente que podemos ficar tranquilos de
que não houve crime. O relativismo não pode perder de vista que, mesmo ganhando os
julgamentos de racionalidade, resta a questão de que um dos lados, de facto, detém o que se
chama de racionalidade. E isso deve ser explicado. É nesse ponto que se deve examinar a
sócio-lógica.
Latour coloca, a essa altura, seu quinto princípio: os fatos duros são exceção; e sua sexta
regra: diante de uma acusação de irracionalidade, deve-se deixar de lado a perspectiva que
procura logo de saída que regra teria sido infringida. (pp. 343, 348)
Latour parece terminar em uma espécie de indutivismo ingênuo.
Quando conta a história de Lapérouse, Latour implica que os racionais o são porque têm
condições de reunir mais dados e de vê-los em conjunto. A expedição desse francês chega
às ilhas Sacalinas e lá fica só um pouco. Sai de lá, dados os instrumentos que carrega, mais
informado das costas e baixios do que os chineses que lá moram há séculos jamais puderam
estar. Essas informações são transformadas em unidades móveis, estáveis e combináveis
(mapas, tabelas, gráficos, enfim, em inscrições) e tudo isso é mandado para uma central de
cálculo. Lá, diz Latour, os cientistas veem as coisas em conjunto e, daí, vem sua ciência.
Existe o que se pode chamar de um "grande divisor" entre racionais e irracionais? Sim, mas
não devido à suposta fraqueza mental ou falta de condições de educação dos irracionais,
mas simplesmente porque os racionais saem de suas centrais, coletam, voltam, saem de
novo, coletam de novo, em espiral. Isso, para Latour, é o que gera ciência.
De um lado, esse raciocínio faz lembrar "A mensuração da realidade", de Alfred Crosby,
quando este vê no sucesso ocidental em produzir ciência a criação de técnicas de
visualização derivadas da atuária (as tabelas de dupla entrada), da música (a notação para
polifonias) e da perspectiva (a cópia fiel da natureza tal como percebida pela retina). As
35
centrais de cálculo latourianas produzem e processam informação porque veem melhor os
dados, porque desenvolveram técnicas de visão de conjunto. De qualquer forma, é preciso
ver que essas técnicas:
1. determinam em parte que objetos podem ser coletados e processados
2. essa determinação precede a coleta
Ou seja, permanece a questão de que Lapérouse não foi lá e recolheu qualquer coisa.
Recolheu o que lhe interessava. E esse interesse era uma tomada de posição prévia,
decidida ANTES do contato com os objetos. É claro que isso pode mudar e se adaptar. Mas,
em todo caso, decisões têm de ser tomadas ANTES dos fatos aparecerem (se é, também,
PARA os fatos aparecerem é outra questão).
Quando Latour examina as controvérsias e tenta pôr em um quadro abrangente o contexto
em que nascem e são resolvidas, fica sempre a sensação de que as decisões acontecem a
reboque dos fatos. Fulano vê algo diferente e deve tomar uma decisão. A face esquerda de
Jano dirá que a decisão foi tomada porque era racional. A face direita, da ciência em ação,
dirá que a decisão é racional porque foi tomada. No momento, não existe muito como
decidir e os cientistas, apesar disso, se viram. Mas não é bem "no momento". Muito das
decisões se dá ANTES do momento. E essas decisões são pautadas em teorias, em palpites,
se se preferir mas, de qualquer forma, não respondem a fatos, mas a prefigurações de
resultados possíveis. E isso tem de ser explicado e não pode sê-lo dentro desse indutivismo
ultraingênuo de Latour. Os cientistas adaptam suas teorias, sim. Respondem aos fatos, sim.
Mas não derivam suas teorias totalmente dos fatos.
Dizer, como Latour faz, que a divisão se dá tão-somente pelo acúmulo de fatos é muito
inadequado. E, se pensarmos que isso vem no final de um livro que começa tentando
desmontar uma visão tradicional da ciência como modelo de racionalidade, tanto mais
decepcionante a coisa fica. Saímos de um positivismo elaborado para cairmos em um
indutivismo aparentemente muito ingênuo.
A partir desse ponto, Latour fica algo esotérico:
1. os zoólogos veem coisas novas, pois essa é a primeira vez que tantas criaturas são postas
diante dos olhos de alguém (p. 365)
2. devemos nos preocupar não com diferenças cognitivas, mas com essa mobilização geral
do mundo que dota alguns cientistas de casaca de Kew Gardens com a capacidade de
dominar visualmente todas as plantas da Terra (p. 365/6)
3. ... Brahe é o primeiro que, num relance, considera o céu de verão, mais as observações de
seus colaboradores, mais ... (p. 368)
Vale aqui nesta passagem uma incrível primazia da visão que nem o mais ingênuo
indutivista aceitaria. As teorias vêm de "relances", de pôr bichos diante de zoólogos ou
plantas diante de botânicos. Faça-se isso com espécimes ou com inscrições e pronto: eis
teoria.
A ideia subjacente parece ser a de que todos temos uma faculdade misteriosa que funciona
toda vez que colocamos um grande número de qualquer coisa diante de nós. O problema
que Latour não aborda é que um grande número de alguma coisa depende de julgarmos o
que seja essa alguma coisa. Homens diferem em tudo (altura, cor, peso, inteligência etc.).
Assim, o que é pôr muitos homens diante de alguém? É decidir ANTES o que eles sejam.
Sem essa decisão, são muitos, mas não da mesma coisa. De novo a questão das decisões
prévias, que Latour não resolve (e, até aí, tudo bem), mas sequer reconhece (e, aí, tudo
muito mal).
Parte B
Centrais de Cálculo
Talvez seja possível "salvar" Latour da impressão de indutivismo ingênuo.
Suponha o antropólogo da ciência perdido em uma grande cidade. Ele entra em qualquer
loja, em qualquer ônibus, fala com qualquer um, não importa. Se seu propósito for
encontrar pessoas que se envolvem em controvérsias por profissão e as levam a um nível
elevadíssimo, em breve chegará à tecnociência. Passará, certamente, pelo direito. Mas
descobrirá que existe um grupo para quem as controvérsias que acontecem nas cortes são
brincadeira. Pessoas que, para resolver controvérsias, constroem instrumentos caríssimos,
citam bibliografias incompreensíveis e extensas, constroem redes amplas e heterogêneas.
Terá, então, chegado aos tecnocientistas. Ou seja, não importa onde se comece e que
37
suposição se faça, se o fio condutor da pesquisa for "buscar a mais alta concentração de
controvérsia", o resultado será ciência e tecnologia.
Chegando a esse grupo, o antropólogo começa a examiná-lo. Descobre, então, que se trata
de um grupo muito heterogêneo. Existem pessoas presas diretamente às bancadas. Existem
outras cujo trabalho influencia diretamente as primeiras, mas que quase nunca entram no
laboratório. Existem todos os graus intermediários e, ainda, essa rede vai se tornando mais
diáfana à medida que nos distanciamos dos centros de controvérsia.
Examinando esses centros, vemos que o trabalho é sempre de coleta de inscrições e que
mesmo os que trabalham em ciências ditas formalizadas não trabalham com "o lá fora",
mas com inscrições que se adaptam à linguagem da teoria. E por que se adaptam?
Porque, responde o autor, as teorias nascem sempre da coleta de dados. Mas isso não é
indutivismo ingênuo? Depois de desmontar a ideologia da ciência (que defende justamente
esse indutivismo) e parecer tender a um enfoque mais relativista, não estaria Latour nos
decepcionando? Talvez. Mas, talvez, haja outra explicação.
Citando o autor:
... todos os domínios ingressam no "seguro caminho da ciência" quando seus porta-vozes
têm tanto aliados a seu lado". (p. 378)
Essa frase talvez salve Latour do indutivismo ingênuo. Ele seria, podemos dizer, um
"indutivista histórico". Assim como qualquer ponto de partida, desde que o fio condutor da
pesquisa seja a densidade de controvérsias, nos leva à tecnociência, qualquer domínio, se
iniciar um processo de coleta, sistematização, produção de inscrições e produção de
inscrições de enésima ordem, será também ciência. E não importa o quê. A fisiognomia, por
exemplo, era ciência. Ok, não é mais. Mas isso dizemos nós hoje. Cerca de um século e
meio atrás, não teríamos como fazer esse julgamento, pois a coisa era, efetivamente,
ciência: recolhiam-se amostras, inscrições eram produzidas, tais inscrições eram tabeladas,
depois, eram sintetizadas em novas inscrições etc. etc. etc.
Ou seja, qualquer campo que se tome é ciência desde que haja coleta e "corrida probatória".
Afinal, não pode haver tal corrida sem dados. Portanto, coleta é essencial.
Agora, poderíamos dizer, essa coleta é orientada por um ponto de vista prévio. De acordo.
Mas podemos dizer, igualmente, que esse ponto de vista prévio é resultado de mais coleta.
Há aí uma regressão irresolvível. Podemos, agora, resolvê-la de duas maneiras:
(1) postulando uma capacidade especial de teorizar a partir do nada e
(2) imaginando que as teorias de hoje são resultado de coleta e servem de guia às teorias de
amanhã.
A questão seguinte que se coloca é de como as teorias surgem dos dados. Latour responde
que os cientistas têm, nos centros de cálculo, condições de ver "num relance" muitos dados.
Logo, desde que se desenvolvam técnicas de visualização, as teorias (que podem ser
entendidas como regras de comparação muito abrangentes) aparecem.
E como se desenvolvem as técnicas de visualização de inscrições? De modestas coleções de
fatos. Se ninguém questionar essa coleção, ela fica como está. Se for questionada, deverá
responder. Só poderá fazê-lo com mais dados. Mas mais dados afogam o coletor de dados.
Logo, ele deve desenvolver técnicas de visualização que lhe permitam manusear esses
novos dados. E de onde ele tira essas técnicas? Dos dados? Não. Elas são caixas pretas,
modos de ver (ou inscrever, ou visualizar) que, no passado foram controvertidos e, agora,
são apenas contexto. O cientista não precisa reinventar as tabelas de dupla entrada, ou a
análise de dispersão, pois isso é contexto. E quando não era? Então, era o caso de se terem
muitos dados e se notar, por exemplo, que médias não refletiam corretamente a situação
reais com muitos indivíduos desiguais. Vendo o problema, criou-se uma controvérsia: "seus
dados não valem nada"; "valem sim, pois têm baixa dispersão"; baixa o quê?"; "dispersão,
que defino como...". E assim por diante. Levando em conta um senso comum bem
aceitável, que nos diz que criamos soluções a partir de problemas, é fato que os problemas
são sempre controvérsias que versam sobre dados.
Mas e a física teórica e a matemática? Versam sobre dados também, mas são inscrições de
enésima ordem, tão amplamente aplicáveis (porque justamente tão distantes do conteúdo do
problema que lhes deu origem) que parecem vindas de outro mundo. Mas não são. São
deste.
Se isso vale, resolve-se outra questão intrigante: "por que a matemática dá tão certo na
natureza?". Resposta: devido a sua história. E dá mesmo certo na natureza? Provavelmente,
39
não. Dá certo em uma natureza codificada. Dá certo quando pessoas, árvores, votos viraram
tabelas e gráficos. Então, o estrato matemático deita-se sobre o estrato (igualmente
matemático) dos gráficos. Fora, no mundo, a coisa não funciona. E quando não funciona é
que surgem os julgamentos de racionalidade.
Por isso, Latour fala em usar o termo "abstração" só como substantivo, mas nunca usar o
adjetivo "abstrato", pois não existem teorias abstratas. O que existe é inscrições de enésima
ordem. (p. 393)
Como não há limite para a cascata de reescritura e re-representação, podem-se obter
formas de enésima ordem que se combinam com formas de enésima ordem provenientes de
regiões completamente diferentes. São esses novos nexos inesperados que explicam por
que as formas importam tanto e por que os observadores da ciência vibram tanto com elas.
(p. 396)
As formas são explicadas com quatro características e Latour se propõe a ficar com o "grão
de verdade" que existe em cada uma:
transcendentalismo conferem um suplemento inesperado e portanto parecem ter
vindo de outro mundo
empirismo são resultado de trabalho concreto de depuração, estando
então relacionadas com coisas práticas
determinismo social são ainda mais sociais que a sociedade pois concentram
muitas associações
convencionalismo estabelecem conexões entre muito mais elementos, o que
levaria as pessoas a supor que elas sejam mais reais (ou,
talvez, menos convencionais) que outros tipos de ferramentas
Ou seja, todas essas características expressam algo de o que são teorias científicas, mas
todas podem ser explicadas a partir do trabalho de coleta, inscrição e representações de n
ordens.
A esta altura, Latour aponta a carência de um estudo antropológico do formalismo e atribui
a isso a alternativa fácil de considerar o formalismo resultado de capacidades cognitivas
superiores. Então, propõe sua
SÉTIMA REGRA METODOLÓGICA:
uma moratória para explicações cognitivas para a ciência e a tecnologia.
Essa regra é diferente das anteriores, pois deixa aberta a possibilidade de que todo o estudo
mostrado em "Ciência em Ação" esteja errado. Trata-se de um desafio e de um programa.
Latour dá também exemplos em que esse "lá fora" é só aparente. Alan Shepard repetiu seu
voo dezenas de vezes em terra antes de subir. É por isso que tudo deu certo lá fora, no
espaço. É que o lá fora havia sido trazido para o laboratório e as técnicas foram adaptadas a
esse "lá fora" trazido. Feito isso, é claro que as coisas devem dar certo. E, quando dão
errado, dão errado em detalhe.
[Nesse ponto, talvez valesse uma digressão sobre o caso da Challenger, exposto em "The
Golem at Large". A nave caiu, mas não porque tivesse havido negligência ou porque o "lá
fora" era desconhecido. Caiu porque houve, de fato, um acidente imprevisível. As
especificações da nave estavam corretas e a temperatura do dia do lançamento estava
dentro de limites aceitáveis para a resistência do anel que acabou se rompendo e deixando
vazar combustível. Nesse exemplo, como em tantos outros, o "lá fora" foi inteiramente
codificado, o que não quer dizer que não possa haver acidentes.]
Outro exemplo de "lá fora" que não é tão fora assim é dado por um experimento levado a
cabo por Pasteur em uma fazenda. Pasteur afirma que, depois de alguns dias de
administrada uma vacina, o grupo de animais vacinado resistirá e o grupo não vacinado
morrerá. Mas ele sabe que isso não vai funcionar em uma fazenda suja, na qual muitos
outros fatores estragariam os resultados. O que faz? Transforma a fazenda em um
laboratório, mandando para lá assistentes, antes do experimento "no campo", para alterar
tudo o que pudesse atrapalhar os dados, mas tomando cuidado de manter as aparências, a
41
fim de que o experimento fosse convincente.
Disso, conclui Latour que as teorias são frágeis e que, apesar disso, cobrem o mundo. Mas
como cupins, que vivem em cupinzeiros muito extensos: não importa a extensão, desde que
o cupim trafegue dentro de uma galeria. A ciência alcança tudo nesta sociedade, mas isso
apenas porque as galerias avançam por todos os lados. A sociedade em que essa ciência
atua já não é "lá fora". Quando isso (a ciência fora da rede, o cupim fora da galeria que
construiu) acontece, tudo falha.
Vem então uma excelente analogia. De que serve um mapa se estamos em um descampado?
Não podemos, por melhor que seja o mapa, confrontá-lo com a natureza "lá fora".
Confrontamos o mapa com um mundo devidamente sinalizado (placas, marcos, faróis etc.).
Confrontado com a natureza (da qual, supostamente, fala) o mapa é inútil.
_________________________________________________
Alguns temas para monografias:
(1) O que é a filosofia da ciência para Latour?
(2) Latour descreve ou tece uma teoria sobre a ciência?
(3) A teoria (se for) de Latour é empírica? O que, então, a refutaria?
(4) Qual o estatuto dos exemplos em "Ciência em Ação"? Eles são essenciais para a
compreensão do ponto ou o livro poderia se resumir às listas de regras e de princípios.
(5) Até que ponto Latour pode seguir os cientistas, sem pré-juízos, sendo, ele mesmo,
cientista?

Hazle saber al autor que aprecias su trabajo

Estás en libertad de marcarlo con "Me gusta" o no

Tu opinión vale, comenta aquíOculta los comentarios

Comentarios

comentarios

Compártelo con tu mundo

Cita esta página
Pastelli Vittorio. (2015, julio 1). Bruno Latour – Ciência em ação. Um texto de acompanhamento de leitura e sugestões de monografias. Recuperado de http://www.gestiopolis.com/bruno-latour-ciencia-em-acao-um-texto-de-acompanhamento-de-leitura-e-sugestoes-de-monografias/
Pastelli, Vittorio. "Bruno Latour – Ciência em ação. Um texto de acompanhamento de leitura e sugestões de monografias". GestioPolis. 1 julio 2015. Web. <http://www.gestiopolis.com/bruno-latour-ciencia-em-acao-um-texto-de-acompanhamento-de-leitura-e-sugestoes-de-monografias/>.
Pastelli, Vittorio. "Bruno Latour – Ciência em ação. Um texto de acompanhamento de leitura e sugestões de monografias". GestioPolis. julio 1, 2015. Consultado el 10 de Diciembre de 2016. http://www.gestiopolis.com/bruno-latour-ciencia-em-acao-um-texto-de-acompanhamento-de-leitura-e-sugestoes-de-monografias/.
Pastelli, Vittorio. Bruno Latour – Ciência em ação. Um texto de acompanhamento de leitura e sugestões de monografias [en línea]. <http://www.gestiopolis.com/bruno-latour-ciencia-em-acao-um-texto-de-acompanhamento-de-leitura-e-sugestoes-de-monografias/> [Citado el 10 de Diciembre de 2016].
Copiar
Imagen del encabezado cortesía de snre en Flickr